Revista de Educação do Vale do São Francisco http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf <p align="justify">Veículo digital para o registro e o intercâmbio de pesquisas, reflexões e experiências acerca da educação, de uma forma ampla, contribuindo para o avanço e o aprimoramento dos processos de ensino-aprendizagem.</p> <p align="justify">A&nbsp;Revista de Educação do Vale do São Francisco é um periódico quadrimestral, versão eletrônica, vinculada a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Publica artigos inéditos oriundos de pesquisas científicas, de revisões sistemáticas, de estudos teóricos&nbsp;e de relatos de experiências, além de entrevistas e resenhas de livros.&nbsp;O objetivo principal é&nbsp;divulgar pesquisas e estudos vinculados ao campo da educação, em perspectiva interdisciplinar.</p> <p align="justify">A REVASF adota sistema <em>full time</em> para publicação. Isto significa dizer que o autor não precisa aguardar todos os artigos da edição ficarem prontos para a efetiva publicação, dando mais agilidade as publicações, além de intensificar os acessos a revista. A Revasf incorpora ainda o modelo <em>Ahead of print</em>, que é a publicação antecipada dos artigos aprovados pela Comissão Editorial (com revisões parciais), contribuindo mais rapidamente para a difusão das pesquisas.</p> <p align="justify">A partir da próxima edição "setembro-dezembro /2019" estaremos seguido, rigorosamente, o limite de 20% para a taxa de endogenia por edição (autores oriundos da Revasf). Caso haja excedente, os autores oriundos da Univasf com artigos aceitos serão escalonados para futuras edições. Esta medida visa adequação da política editorial aos padrões de avaliações&nbsp;(ver também em "Notícias").</p> <p align="justify">A partir da próxima edição "setembro-dezembro /2019" estaremos trocando nossas fontes de "time new roman para arial"&nbsp;(ver também em "Notícias").</p> <p align="justify">Revasf fortalece política de internacionalização (ver em "Notícias").</p> <p><strong>QUALIS/CAPES (2013 - 2016):</strong></p> <p>– Área de Ensino: B1</p> <p>- Área de&nbsp;Educação: B3</p> <p>– Área Interdisciplinar: B4</p> <p>- Área de Medicina Veterinearia: B5</p> <p>- Área de Ciências Agrárias I - B5</p> <p>– Área de Psicologia: B4</p> <p>– Área Interdisciplinar: B4</p> <p>– Árera de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo: B4</p> <p>– Área de Materiais: B5</p> <p align="justify">&nbsp;</p> pt-BR <p>&nbsp;</p> <p>• O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do artigo na revista.<br>• O(s) autor(es) garante(m) que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s).<br>• A revista não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).<br>• É reservado aos editores o direito de proceder ajustes textuais e de adequação do artigos às normas da publicação.</p> <p>• Os Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br><br></p> <ol> <li>Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a title="Creative Commons" href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Attribution License</a>, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado.</li> </ol> mribeiro27@gmail.com (Prof. Marcelo Silva de Souza Ribeiro) venancio.santana@gmail.com (Prof. Venâncio de Sant'Ana Tavares) Qua, 01 Mai 2019 00:00:00 +0000 OJS 3.1.1.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 ACONSELHAMENTO DE CARREIRA COM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA DO VALE DO SÃO FRANCISCO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/212 <p>O aconselhamento de carreira se constitui uma importante ferramenta para ajudar pessoas em seus processos de escolha de campos de atuação e de metas de carreira. Diante disso, o objetivo geral deste estudo foi compreenderexperiências de estudantes de Psicologia que participaram de processos de aconselhamento de carreira, que envolvia de quatro a cinco sessões de até uma hora e meia cada, era conduzido por um professora e um trainee e possuía as seguintes etapas: entrevista por competência; aplicação do Inventário Fatorial de Personalidade; dinâmica de grupo com os aconselhandos; análise S.W.O.T. das forças e fraquezas do aconselhando e das oportunidades e ameaças do ambiente; e, ao final, a construção conjunta, entre conselheiro e aconselhando, de uma planilha de planejamento estratégico pessoal. A pesquisa foi protocolada sob o número 0010/140613, aprovada pelo Comitê de Ética e Deontologia em Pesquisas com Seres Humanos (CEDEP) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Usando a metodologia da hermenêutica-colaborativa, foi realizada entrevista individual aberta com pergunta disparadora com quinze colaboradores, buscando-se sentidos atribuídos em comum por eles à experiência investigada. O procedimento de análise envolveu cinco passos: leitura integral de cada entrevista; encontro com as unidades de significado; presentificação do sentido da experiência para cada colaborador; envio da análise individual preliminar; síntese final dos significados em comum para todos os colaboradores entrevistados. Os resultados apontaram: ampliação da consciência de si; produção de novos modos de subjetivação; desenvolvimento da liderança, autocuidado, segurança, responsabilidade, pontualidade, habilidades interpessoais e escuta, como capacidade interpretativa de processos clínicos. Concluiu-se, principalmente, que este estudo serve como fonte de indicadores de como uma prática clínica em Psicologia Organizacional e do Trabalho pode se inserir no contexto da educação superior, como também faz repensar a formação em cursos de Psicologia para além da sala de aula.</p> Shirley Macêdo, Cristiane Alves Quirino ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/212 Dom, 12 Mai 2019 20:29:30 +0000 Relação de pareceristas http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/493 <p>Relação de pareceristas 2018 – maio de 2019</p> Marcelo Silva de Souza Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/493 Qui, 09 Mai 2019 00:00:00 +0000 EXISTÊNCIA INVISÍVEL http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/287 <p>Na escola, falar de sexo ainda hoje é apresentar informações sobre o tema, sem ter que assumir uma postura problematizadora e consciente. Desta forma, este estudo objetiva discutir a negação existente no espaço escolar sobre as questões da sexualidade, especificamente a homossexualidade. Para isso, foi realizada uma revisão crítica de literatura na qual analisamos, dentre outros, trabalhos apresentados no GT23 da Associação Nacional de Pós-graduação em Educação – ANPED e nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Apontamos a necessidade de questionar as práticas pedagógicas que não fazem cumprir o indicado pelos PCN em um de seus temas transversais, a Orientação Sexual. Para este artigo, analisamos os trabalhos publicados na ANPED entre os anos de 2009 a 2013.</p> Vitor Nascimento, Roberto Gondim Pires, Aline Gomes Machado ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/287 Sáb, 04 Mai 2019 00:00:00 +0000 INTERFACES ENTRE ACADEMIAS DE CAPOEIRA E AS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/101 <p>O presente artigo tem como intuito principal, discutir as bases históricas e ideológicas que fundamentam as Interfaces Pedagógicas entre as Academias de Capoeira: Associação Capoeira Regional de Caém, Associação de Capoeira Raízes e Negro do Engenho e o Colégio Municipal Padre Alfredo Haasler situados no Município de Caém na Bahia, a partir da análise do processo de relações das academias e o contexto escolar, suas contribuições, perspectivas e possibilidades trazendo reflexões sobre o multiculturalismo dentro do espaço escolar. Para isso foram utilizados instrumentos de coletas de dados como: as entrevistas com dois professores do supracitado colégio e três alunos membros das academias e alunos da escola e a análise documental do Projeto Político Pedagógico da instituição, fazendo uma análise do processo histórico da capoeira elemento da cultura afro e suas contribuições seguido de uma discussão sobre as suas potencialidades considerando um possível diálogo com a escola</p> Ronaldo Alves de Oliveira, Marlúcia Ribeiro Sobrinho, Antenor Rita Gomes ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/101 Seg, 29 Abr 2019 00:00:00 +0000 O APLICATIVO AURASMA E A VIABILIDADE DO SEU USO NO ENISNO DE MATEMÁTICA http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/258 <p>Este artigo apresenta um estudo exploratório do uso das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) com o apoio do aplicativo Aurasma na criação de Realidade Aumentada (RA) realizada no âmbito das atividades da disciplina Saberes e Metodologia do Ensino da Matemática 2, turnos Vespertino e Noturno, no Curso de Pedagogia, na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). O objetivo deste estudo foi investigar as potencialidades do aplicativo Aurasma na formação do professor para o compartilhamento de ideias nos processos de ensino e de aprendizagem em Matemática. Para o universo da pesquisa participaram 36 alunos matriculados na disciplina e os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e da observação participante. Constatamos que o uso do aplicativo Aurasma pode proporcionar práticas pedagógicas capazes de dar conta das especificidades relacionadas ao ensino de Matemática de forma prazerosa, eficaz e lúdica, superando o paradigma educacional vigente.</p> Carloney Alves de Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/258 Seg, 29 Abr 2019 00:00:00 +0000 EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/468 <p>Este trabalho discute ateoria cognitivada aprendizagem significativa desenvolvida por DavidAusubel,onde se pretende explicaro processamento cognitivointernoque ocorre naaprendizagem.Novas informações sãoprocessadas econceitos são ancorados, de formarelevante, duranteo processo de aquisiçãodo conhecimento. Assim, este trabalho enfatiza o papel da estrutura cognitiva do aluno na aquisição de novas informações através da utilização de mapas conceituais. A teoria de David Ausubel propõe que a experiência presente é sempre montada no que o aluno já sabe, e ressalta que a estrutura cognitiva existente, que é a organização, a estabilidade de um indivíduo, a clareza de conhecimento em um campo determinado e em determinado momento é o principal fator que influencia a aprendizagem e a retenção significativa de um novo material. A estrutura cognitiva que é clara e bem organizada facilita a aprendizagem e a retenção desses conhecimentos. Assim, um mapa conceitual proporciona uma visão idiossincrática do criador sobre o fato a que se alude, ideia desenvolvida por Joseph Novak (2010). Quando o sujeito concebe um mapa, ele expressa a sua visão madura e clara sobre um tema. Dessa forma, quando um aluno ou professor constrói o seu mapa cognitivo, ele amplia e experimenta a sua capacidade de apreender as generalidades e distinções do ponto escolhido. Ele pode construir uma hierarquia conceitual, desde as características mais gerais até as mais específicas, tornando visível a diferenciação progressiva. Dessa forma, a teoria da aprendizagem significativa de Ausubel e a elaboração de mapas conceituais de Novak tornam-se um estudo de referência no campo da aprendizagem e da inteligência, que formam a base da integração de pensamentos construtivos, sentimentos e ações.</p> Liércio Pinheiro de Araújo, Robson Lúcio Silva de Menezes ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/468 Qua, 17 Abr 2019 18:58:13 +0000 Edição completa vol 9, n 18, abril. 2019 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/460 <p>Edição completa vol 9, n 18, abril. 2019</p> ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/460 Qua, 03 Abr 2019 12:48:37 +0000 DESAFIOS E POSSIBILIDADES DO ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/459 <p>O presente estudo teve como objetivo identificar quais são os desafios e possibilidades percebidos no trabalho dos professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (AIEF) em relação às aulas de Matemática para alunos surdos, frente aos princípios da teoria sócio histórica. A pesquisa caracteriza-se como qualitativa,com a utilizaçãodométododialético.Para tanto, foram realizadas observações nas aulas de Matemática da professora do ensino regular, durante aproximadamente duas semanas ou o correspondente a cinco (5) momentos de aula. Posteriormente, foi feita uma entrevista com a professora do ensino regular e com a professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Paraaanálisedosdados,asinformações foram subsidiadas pela Teoria Sócio-Histórica, por meio dos estudos deVigotski e seus seguidores. Dentre os resultados obtidos, constata-se a ausência do conhecimento da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) por parte dos docentes, carência de recursos visuais, formação continuada para os professores, bem como a inexistência do intérprete como imperativos para que os alunos não sejam atendidos de forma adequada às suas necessidades. Concluiu-se que, a inclusão de alunos surdos no ensino regular ainda enfrenta muitas dificuldades, que se relacionam à limitada comunicação entre professores e aluno e entre alunos e alunos.</p> Anna Karoline Pinto Guimarães, Dinali Carneiro de Oliveira, Luzinete Soares Monteiro, Arthane Menezes Figueirêdo, Ronaldo Manassés Rodrigues Campos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/459 Seg, 01 Abr 2019 13:38:32 +0000 INCLUSÃO ESCOLAR http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/447 <p>Este artigo tem como objetivo discorrer sobre a importância das oficinas de intervenção como instrumentos para a pré-identificação de alunos com Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD) no ambiente escolar. Geralmente as oficinas são promovidas por núcleos de atendimento a alunos com Altas Habilidades/Superdotação (NAAHS) que auxiliam no processo de identificação desses alunos. Uma vez pré-identificados por meio destas oficinas, os alunos são encaminhados para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) onde serão avaliados e reconhecidos ou não como alunos com Altas Habilidades/Superdotação. Trata-se de um trabalho qualitativo de cunho exploratório que usou a pesquisa bibliográfica e a observação direta como forma de investigação. Os resultados da pesquisa aferem quanto à necessidade do reconhecimento de alunos com Altas Habilidades/Superdotação na educação inclusiva, pois eles também têm direito a atendimento específico na escola pelo AEE para que seus interesses, habilidades e potencialidades sejam estimulados e bem canalizados de acordo com as áreas de interesse, o que se transmuta em um grande desafio para a educação brasileira. Neste sentido, para ajudar e proporcionar um melhor diagnóstico nesta pré-identificação, as oficinas de intervenção surgem como grandes possibilidades de atividades que contribuem consideravelmente para indicação de alunos que possuem altas habilidades/superdotação.</p> Célia Souza da Costa, Elivaldo Serrão Custódio, Edina Dayane de Lara Bueno ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/447 Qua, 27 Mar 2019 00:52:07 +0000 A EDUCAÇÃO CRÍTICA NA ESCOLA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES - GUARAREMA, SÃO PAULO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/446 <p>Estuda-se o papel da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), sediada na cidade de Guararema, estado de São Paulo, na vida e na educação de membros de movimentos sociais diversos, incluindo, se aí, o Movimento Sem Terra (MST). O estudo tem como objetivo descrever a educação Escola Nacional Florestan Fernandes por meio das narrativas dos estudantes que demonstram como ocorre a formação de lideranças do Movimento Sem Terra. Este trabalho é uma pesquisa exploratório-descritiva com abordagem qualitativa de corte transversal em que, além do material bibliográfico, desenvolveu entrevistas com cinco discentes, uma coordenadora geral e um coordenador pedagógico. Os participantes foram selecionados a partir dos sujeitos que se encontravam na ENFF nos meses de março a abril de 2017. As entrevistas foram de natureza individual e em determinados aspectos foram estruturadas com questões previamente formuladas, mas também como oportunidades de falas abertas. Resultados demonstraram que alunos e educadores buscam a emancipação por meio de uma consciência crítica do papel da educação para um sujeito que crie sua própria história.</p> <p>&nbsp;</p> Francisco Carlos Franco, Andrea Marinho, Renan Antonio da Silva, Luci Mendes de Melo Bonini ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/446 Qua, 27 Mar 2019 00:42:55 +0000 A LÍNGUA INGLESA COMO FATOR DE INCLUSÃO PROFISSIONAL http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/445 <p>Este artigo visa discutir a questão da inclusão profissional do egresso do curso de superior de Tecnologia em Logística. Mais especificamente, pretende-se averiguar como o domínio da língua inglesa constitui-se como referencial para esta inclusão em um mundo corporativo cada vez mais internacionalizado. Para tanto buscou-se como referencial teórico teorias que possuem como eixo norteador a formação por competências bem como teorias que enfatizam o papel da língua inglesa como língua-franca. Faz-se uso de pesquisa documental em literatura especializada bem como nos resultados de um exame internacional de proficiência em inglês (TOEFL-ITP) obtidos pelos egressos de um curso superior em Logística de uma instituição universitária. Os resultados indicam consonância entre a formação dos egressos e as expectativas do mercado de trabalho.</p> Rodrigo Avella Ramirez, William Rocha Dias ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/445 Qua, 27 Mar 2019 00:28:29 +0000 AS POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO FÍSICA http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/443 <p>A Educação Física foi implementada nos moldes da disciplina militar, no sentido de desenvolver a força e a saúde o corpo perfeito. Este estudo tem como objetivo refletir acerca da inclusão de alunos com deficiência nas aulas de Educação Física, fazendo-se um panorama histórico, identificando as diversas abordagens no contexto da Educação Física, para, em seguida, discutir essa disciplina no contexto atual da inclusão. Este trabalho faz uma revisão dos aspectos históricos e teóricos acerca da evolução da Educação Física até os desafios contemporâneos da inclusão. No contexto atual, entende-se quea Educação Física possa contribuir na escola tornando-a um espaço melhor para os alunos com deficiência, para que os mesmos venham a ter sua participação na comunidade discente como todos os outros alunos, visto que a Educação Física tem com base o movimento e o homem na sua totalidade.</p> Marilene Ferreira de Lima Oliveira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/443 Qua, 27 Mar 2019 00:09:23 +0000 INCLUSÃO PROFISSIONAL DE JOVENS APRENDIZES A PARTIR DE UMA EMPRESA JÚNIOR http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/442 <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>A implantação de propostas pedagógicas baseadas em projetos compatíveis com a realidade atual, onde a criatividade e inovação sejam aguçadas, pode ser uma das estratégias para promover a inclusão profissional de jovens aprendizes de forma que ingressem em carreiras profissionais de forma assertiva, conforme suas vocações. Este artigo propõe um estudo de caso sobre a implantação de uma Empresa Júnior num curso técnico integrado ao ensino médio, em uma escola pública localizada no Estado de São Paulo. Os resultados indicaram que a partir da participação em diversos projetos da Empresa Junior, os alunos se sentiram melhor preparados para ingressarem no mercado de trabalho.</p> </div> </div> </div> Celi Langhi, Helena Germignani Peterossi, Sirlei Rodrigues do Nascimento ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/442 Qua, 27 Mar 2019 00:02:08 +0000 INCLUSÃO EDUCACIONAL http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/444 <p>Neste artigo propõe-se uma discussão sobre os discursos político-educacionais de inclusão para uma análise do trabalho desenvolvido em classes hospitalares, em que se caracteriza o atendimento pedagógico-educacional que ocorre em ambientes de tratamento de saúde, na circunstância de internação, na circunstância do atendimento em hospital ou atendimento pedagógico domiciliar.Nesse contexto, o acompanhamento pedagógico é considerado como uma estratégia de intervenção que auxilia alunos com demandas específicas no âmbito da aprendizagem, frente a situações adversas, mediante um planejamento individualizado, a fim de se identificar caminhos de aprendizagem para cada sujeito. Esta pesquisa teve como objetivos, descrever o histórico das políticas educacionais de inclusão; abordar as formas de suporte educacional oferecidas em classes hospitalares e em atendimentos pedagógicos domiciliares. O método, de abordagem qualitativa, constituiu-se de entrevista semiestruturada a professores e gestores dessa modalidade educacional. Verifica-se que a organização das classes hospitalares e dos atendimentos pedagógicos domiciliares, em conexão com as escolas regulares, torna-se essencial quando se entende que o aluno-paciente é um ser individual, livre, ativo e social, exposto a uma situação adversa, que necessita estar amparado por profissionais capacitados para conseguir prosseguir com seu processo de aprendizagem.</p> Rosália Maria Netto Prados, Carlos Vital Giordano, Débora Bernardi Gradjean-Thomsen ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/444 Qua, 27 Mar 2019 00:00:00 +0000 HOMOFOBIA, PSICOLOGIA E CONDIÇÕES DE SUBALTERNIDADE http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/441 <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O objetivo deste texto é demonstrar o estado do conhecimento sobre a inclusão da população LGBTTTI nas sociedades ocidentais, dentre as quais, a brasileira. Recorre-se à literatura nacional e internacional para esta discussão que tem como conceito central a homofobia e como foco estratégico, a análise dos impactos (negativos) com tal ação discriminadora. A busca pelo respeito e pela dignidade homossexual passa pela criação de leis, movimentos e manifestos populares, pois a aceitação do "diferente" é o principal fator para a efetivação de garantias de direitos desse segmento social.</p> </div> </div> </div> Renan Antonio Silva, Luci Regina Muzzeti ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/441 Ter, 26 Mar 2019 23:51:51 +0000 APRESENTAÇÃO DO DOSSIÊ TEMÁTICO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/440 <p>Apresentação</p> Renan Antonio Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/440 Ter, 26 Mar 2019 23:40:14 +0000 AS INFLUÊNCIAS DIGITAIS NA (DE)FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS NO SÉCULO XXI. http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/173 <p>As mídias digitais contemporâneas&nbsp; dominam a vida das crianças em seu cotidiano, as influencia, incutindo&nbsp; o consumismo. Ocorre que a Indústria Cultural planeja seus conteúdos almejando as crianças e adolescentes como seu público alvo mais relevante, pois são os mais vulneráveis. Consequentemente, destina seus produtos ao consumo em massa, tornando-se tudo um negócio voltado ao lucro.&nbsp; Neste trabalho usaremos o termo indústria cultural, que foi proposto por Adorno e Horkheimer, no livro Dialética do Esclarecimento, e publicada em 1947. Por fim, apresentamos a nossa pesquisa de campo com 25 crianças entre 6 a 11 anos, e com base na Teoria Crítica e na Psicanálise avaliamos as entrevistas. Os apontamentos também com margem na Teoria Crítica,&nbsp; analisando o reflexo e impacto que a Indústria Cultural alude sobre elas. Entendemos que pesquisar acerca dessas influências das mídias eletrônicas sobre a formação da subjetividade infantil, é relevante para a área da Educação.</p> Renata Augusta Bollis ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/173 Dom, 10 Mar 2019 00:00:00 +0000 COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO: http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/378 <p>Este artigo busca elucidar os principais desafios e possibilidades do trabalho com a interface comunicação e educação na escola pública, objetivando compreender como a inserção da educomunicação no ambiente escolar pode se tornar uma forma de ensino-aprendizagem que estimule a participação dos estudantes e propicie uma formação mais crítica em relação aos conteúdos midiáticos. Para isso, realiza uma breve revisão conceitual acerca da educomunicação, trazendo, sobretudo, reflexões motivadas pela prática educomunicativa desenvolvida em uma escola pública do município de Juazeiro, no semiárido baiano. Nessa perspectiva, conta com a contribuição de autores como Ismar de Oliveira de Soares (2003, 2011a, 2011b), Jesús Martin-Barbero (2000), Mário Kaplún (1999), Paulo Freire (1996, 2013), entre outros, os quais foram determinantes para problematizar o campo em estudo. A fundamentação abordada resulta também da imersão no locus pesquisado ao longo de dez meses, utilizando-se, sobretudo, do método pesquisa-ação e da etnometodologia, perspectivas imprescindíveis à realização de uma pesquisa qualitativa construída em conjunto com outros atores sociais. Ao longo do trabalho, intercalaram-se os estudos sobre os referenciais educomunicativos à realização de ações formativas junto à comunidade escolar, possibilitando identificar alguns resultados advindos dessa prática, como: a adoção, pelos jovens, de uma postura mais crítica frente ao discurso midiático; o aumento progressivo da participação dos estudantes nas atividades educomunicativas realizadas; e o reconhecimento, pelos professores, sobre a relevância do estímulo ao engajamento discente através das mídias. Ademais, os resultados obtidos permitiram concluir que as ações empreendidas na escola pesquisada, bem como os resultados advindos delas, manifestam a expressão da educomunicação enquanto ideal de relações dialógicas, construídas coletivamente e mediadas por diferentes suportes e linguagens.</p> Paulo César Pedroza Marques, João José de Santana Borges ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/378 Qui, 21 Fev 2019 00:00:00 +0000 EXPEDIENTE http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/397 <p>Expediente&nbsp;</p> Marcelo Silva de Souza Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/397 Dom, 03 Fev 2019 00:00:00 +0000 ESTRATÉGIAS METODOLÓGICAS NAS ABORDAGENS SOBRE IST NO ENSINO FUNDAMENTAL http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/293 <p>Este estudo teve como objetivo identificar estratégias metodológicas utilizadas por professores nas abordagens sobre IST no ensino fundamental. Pesquisa qualitativa, tendo como cenário quatro escolas. A coleta de dados ocorreu através de uma entrevista aplicada a 13 professores atuantes no 8º e 9º ano do ensino fundamental em diversas disciplinas. A organização dos dados foi embasada no método do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), sua interpretação e análise ocorreu através da literatura vigente. O estudo atendeu as exigências da Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde, com aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Vale do São Francisco sob parecer Nº 1.775.525.Os discursos construídos trazem as estratégia metodológicas que fazem uso do lúdico ajuda no diálogo com os alunos, possibilitando maior compreensão e aproximação com essa temática; a importância da educação sexual ser abordada de maneira transversal e multiprofissional, de moído que o aprendizado não seja fragmentado e a responsabilidade não recaia apenas sobre o professor de ciências/biologia;&nbsp; que o vínculo entre professor e aluno auxiliar no diálogo mais aberto e sem tabus; que ainda existem desafios, principalmente na relação entre família e escola, necessitando, assim, de umamelhor aproximação para que esta educação se dê de forma efetiva; que a orientação é a melhor estratégia para se trabalhar a prevenção destas doenças, dando espaço para os alunos tirarem suas dúvidas de forma aberta, contribuindo para uma vida sexual consciente.</p> Sued Sheila Sarmento, João Batista Teixeira da Rocha, Margare Olinda de Souza Carvalho Lira, Dhessika Riviery Rodrigues dos Santos Costa, Mariana Brandt Fernandes Santos, Kalliny Mirella Goçalves Barbosa ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/293 Seg, 31 Dez 2018 12:16:15 +0000 LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/256 <p>O tema da presente pesquisa versa em torno da ludicidade como promotora de desenvolvimento humano. O objetivo consiste em refletir sobre os jogos e brincadeiras enquanto promotores de desenvolvimento na Educação Infantil. Trata-se de um estudo de metodologia qualitativa, que recorreu à revisão de literatura, incluindo documentos legais para o procedimento de coleta de material para o referencial teórico. Os achados foram examinados à luz da Análise de Conteúdo e os resultados apontam para: a) o jogo como promotor do desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e moral; b) a preparação para a vida em sociedade começa com situações lúdicas; c) a formação lúdica permite ao educador conhecer-se como pessoa, como profissional e saber suas possibilidades e limitações. Concluímos que o potencial do jogo enquanto promotor de desenvolvimento humano transcende o que buscou analisar a presente pesquisa. Além de potencial promotor de desenvolvimento da criança na Educação Infantil, o jogo permite o crescimento de todos os seres humanos, independentemente de sua idade, bem como do próprio educador, o qual passa pela formação lúdica. Desta maneira, podemos concluir que metodologias lúdicas promovem o desenvolvimento humano em ambientes de educação formal e não formal.</p> Josileide Martins, Hildegard Susana Jung, Louise de Quadros da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/256 Qui, 27 Dez 2018 14:30:31 +0000 A NATUREZA DA CIÊNCIA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO BRASIL NA PERSPECTIVA DE PESQUISADORES BRASILEIROS http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/159 <p>Esta investigação, de cunho qualitativo, buscou evidenciar a percepção de pesquisadores brasileiros a respeito de como ocorre, ou por quais motivos não ocorre, o ensino da Natureza da Ciência (NdC) nas salas de aula do Ensino Fundamental (EF) e Ensino Médio (EM). O objeto de estudo foram treze entrevistas audiogravadas com pesquisadores líderes de grupos de pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPq), da área de Ensino de Ciências e com linhas de pesquisa em História e Filosofia da Ciência (HFC) ou NdC. As entrevistas foram transcritas e analisadas considerando os procedimentos da Análise Textual Discursiva. Os resultados mostraram que a NdC, segundo as percepções expostas nos depoimentos, não é ensinada, salvo em alguns casos raros e pontuais, quase sempre relacionados à participação de estudantes ou pesquisadores da universidade. Para os casos em que ocorre o ensino da NdC, ela é abordada: segundo a via de discussão das inter-relações Ciência-Tecnologia-Sociedade; pelo uso da HFC; por meio de atividades práticas; pelo método do ensino por investigação; em atividades de modelagem; em atividades de divulgação científica. Para os casos em que a NdC não faz parte do ensino praticado nas salas de aula, foram identificadas sete dificuldades, muitas delas articuladas entre si, ou por ocorrerem simultaneamente, ou por exercerem influência umas sobre as outras. Relacionamos as sete na sequência: por opção do próprio professor do EF e EM; pelas condições de trabalho desse professor; em função do sistema educacional e do currículo do EF e EM; pela falta de apoio para o ensino da NdC; pela inexistência de materiais didáticos; pela falta de articulação entre universidade e escola; por não ter sido abordado durante a formação docente.</p> Anderson Camatari Vilas Boas, Marinez Meneghello Passos, Marcos Rodrigues da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/159 Qui, 27 Dez 2018 00:00:00 +0000 LINGUAGEM, COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO SEXUAL INTEGRADAS AOS DIREITOS HUMANOS E À CIDADANIA NA ESCOLA http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/297 <p><strong>Resumo</strong>: O artigo aborda a trajetória histórica do papel da escola dos novos desenhos da linguagem e da comunicação e da Educação Sexual integrada aos direitos humanos e à cidadania. Discute as manifestações da sexualidade no ambiente escolar e a desnaturalização da heteronormatividade. A escola é o espaço em que atitudes e comportamentos sexuais estão presentes intensamente, constituindo, portanto, espaço também para se desenvolver ações de educação sexual. Partindo destas premissas, não há como permitir o recrudescimento dos discursos que reprimem ou negam a sexualidade na escola. Isso implica na perpetuação da cultura machista, preconceituosa e desigual ferindo os direitos humanos e mais especificamente os direitos sexuais. Por fim, apresenta propostas de intervenções nessa realidade escolar e social que tem contribuído para o exercício da cidadania, para a igualdade e o respeito à diversidade.</p> <p>Palavras-chave: &nbsp;Educação Sexual. Educação em Direitos Humanos. Comunicação. Linguagem.</p> Solange Aparecida de Souza Monteiro, Paulo Rennes Marçal Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/297 Qua, 26 Dez 2018 00:00:00 +0000 A EDUCAÇÃO EM SAÚDE COMO POTENCIALIDADE NO CUIDADO DA SAÚDE VOCAL DOS PROFESSORES http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/259 <p>O exercício do trabalho docente tem associação com fatores de risco que comprometem a saúde vocal e interferem na qualidade de vida desses profissionais. A Educação em Saúde pode contribuir nesse cenário, ao ser implementada como ação estratégica que colabore com a conscientização da necessidade do cuidado com a voz e ressalte o professor como um agente ativo no processo de autocuidado. Nesse sentido, este estudo se propõe a promover a reflexão acerca do acometimento vocal em professores e as potencialidades da Educação em Saúde, mediante uma revisão bibliográfica do tipo narrativa. O trabalho apontou que docentes têm a voz impactada por variáveis biopsicossociais e corroborou a importância da educação em saúde como um potente mecanismo para torná-los mais conscientes sobre o cuidado com a voz, sendo agentes autônomos para promoverem a sua saúde. Ademais, nesse processo de investigação, foi possível identificar a escassez de estudos que abordem a saúde vocal durante a graduação, fazendo repensar a importância desta na formação dos futuros profissionais.</p> Karine Lima Lustosa Lima Lustosa, Tarcísio Fulgêncio Alves da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/259 Sáb, 22 Dez 2018 00:00:00 +0000 USO DAS METODOLOGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO MÉDICO NO NORDESTE BRASILEIRO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/239 <p>As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação em medicina publicadas em 2014 preconizam o uso de metodologias ativas de aprendizagem na formação médica. No entanto, desde a sua recomendação, pouco se conhece sobre o panorama das instituições em relação à adesão ou não deste método de ensino. O objetivo do estudo foi conhecer o perfil das escolas médicas da Região do Nordeste brasileiro, bem como o método de ensino empregado na formação do profissional médico. Trata-se de um estudo descritivo e documental, conduzido em base de dados de acesso público. Setenta e sete (23,8%) das 323 escolas médicas criadas até o ano de 2018 no Brasil estão localizadas na Região Nordeste. Bahia (n=23, 29,9%), Pernambuco (n=11, 14,3%) e Paraíba (n=9, 11,7%) são os estados que mais concentram estabelecimento de ensino. Desde a criação da primeira escola médica em Salvador/BA (1808), observa-se um aumento significativo (r = 0.516, p=0.0013) no número de escolas médicas no decorrer dos anos, especialmente no ano de 2014, com a criação de 13 (16,9%) instituições no Nordeste, sobretudo escolas de caráter privado.Sessenta (77,9%) das 77 instituições empregam algum tipo de metodologia ativa e 12 (15,6%) escolas ainda utilizam o método tradicional de aula expositiva. Embora as DCN orientem o planejamento acadêmico das escolas para um currículo integrado com ênfase em metodologias ativas, ainda se observa escolas que utilizam metodologias de ensino tradicional. Deve-se ressaltar que as vantagens e limitações das metodologias ativas devem ser analisadas considerando à disponibilidade de infraestrutura física de instalação e manutenção de equipamentos de cada IES, bem como a inclusão de um processo de capacitação docente.</p> Iukary Oliveira Takenami, Maria Augusta Vasconcelos Palácio, Wellen Andrade, Isaac Farias Cansanção ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/239 Sex, 21 Dez 2018 13:03:24 +0000 PRÁTICAS E ATUAÇÃO NO SUS http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/292 <p>O Centro de Referência de Assistência Social - CRAS é uma porta de entrada ao sistema de proteção governamental que tem como ênfase a população mais vulnerável socioeconomicamente, proporcionando maior autonomia aos usuários cadastrados frente às suas necessidades psicossociais. Diante da necessidade de se entender a integralidade e a descentralização da assistência à saúde, o presente estudo buscou compreender e discutir, a partir de metodologias diferenciadas, o funcionamento de um destes centros com enfoque no atendimento e nos serviços ofertados pela instituição. Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo, do tipo relato de experiência, desenvolvido por acadêmicos de enfermagem em um centro de referência, localizado em Petrolina, Pernambuco. Os discentes, embasados pela proposta de ensino do módulo de Saúde Coletiva I, ofertado pela Universidade Federal do Vale do São Francisco, foram encaminhados para aula prática com a finalidade de associar e contextualizar os conhecimentos teórico-práticos sobre a atuação do Sistema Único de Saúde nas unidades de assistência social do munícipio. Percebeu-se que o empenho dos profissionais associado a filosofia da instituição repercutem positivamente no atendimento das necessidades da população da área de abrangência, oferecendo auxilio às famílias que vivem em situação de vulnerabilidade, assegurando-lhes direitos básicos de cidadania. Sendo assim, a experiência de ensino no serviço possibilitou um conhecimento prático da atuação da equipe de profissionais que atuam no CRAS, contribuindo para formação diferenciada dos acadêmicos de enfermagem em uma perspectiva de compreender o conceito de vulnerabilidade, sensibilizar sobre as nuances das comunidades e responsabilidade social.</p> Michelle Christini Araújo Vieira, Anne Caroline Coelho Leal Árias Amorim, Guilherme Bezerra Ribeiro, Kalliny Mirella Gonçalves Barbosa, Mariana Brandt Fernandes Santos, Odilon Francisco dos Santos Neto, Thainá da Costa Santos Gonçalves, Thaysa Maria Vieira Justino, Thiago José Islanderson dos Santos Castr ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/292 Ter, 18 Dez 2018 15:32:08 +0000 EXPEDIENTE http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/370 <p>EXPEDIENTE</p> Marcelo Silva de Souza Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/370 Ter, 18 Dez 2018 00:00:00 +0000 EDIÇÃO COMPLETA http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/396 Marcelo Silva de Souza Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/396 Ter, 18 Dez 2018 00:00:00 +0000 APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/368 <p>Apresentação:&nbsp;"A difícil tarefa dos editores"</p> Marcelo Silva de Souza Ribeiro ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/368 Qua, 12 Dez 2018 00:00:00 +0000 TRANSIÇÃO DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAR PARA PSICOLOGIA http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/33 <p>O presente trabalho discutiu as trajetórias escolares, a partir do ensino médio, de 7 estudantes de rede pública de cidades do interior da Bahia que fizeram a transição do Bacharelado Interdisciplinar (BI) para o curso de Psicologia na Universidade Federal da Bahia (UFBA). A análise das fichas cadastrais dos/as 103 estudantes egressos/as do BI para Psicologia até o semestre letivo de 2017.2, permitiu a identificação de apenas 10 estudantes deste contingente oriundas de rede pública do interior do estado. Neste sentido, buscamos compreender quais os catalisadores das trajetórias desses/as estudantes que lhes conferiram a possibilidade de prolongarem seus percursos acadêmicos, atentando especialmente às experiências vividas no BI nesse processo. Utilizamos um roteiro semiestruturado de entrevista, e os dados foram submetidos a uma análise de discurso categorial temática. Discutimos que o processo de ingresso na universidade por parte dos/as estudantes não gira somente em torno da capacidade individual de cada um/a; ele foi possível devido às estratégias construídas nas redes sociais e afetivas, nos percursos pessoais-familiares de incentivo e com o acesso às políticas públicas de apoio e de permanência (locais, regionais, nacionais e universitárias). Por sua vez, o Bacharelado Interdisciplinar apareceu também como grande ferramenta de democratização do ensino superior, se configurando como mais uma forma de acesso. Explorar o ingresso no ensino superior como processual, considerando os elementos pessoais, familiares, políticos e institucionais que compõe as trajetórias escolares, é de suma importância para a ampliação de subsídios para que mais estudantes de camadas populares ingressem na universidade.</p> Anne Bittencourt, Mônica Lima de Jesus ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 http://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/33 Dom, 09 Dez 2018 00:00:00 +0000