Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf <p align="justify">Veículo digital para o registro e o intercâmbio de pesquisas, reflexões e experiências acerca da educação, de uma forma ampla, contribuindo para o avanço e o aprimoramento dos processos de ensino-aprendizagem.</p> <p align="justify">A Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco é um periódico quadrimestral, versão eletrônica, vinculada a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Publica artigos inéditos oriundos de pesquisas científicas, de revisões sistemáticas, de estudos teóricos e de relatos de experiências, além de entrevistas e resenhas de livros. O objetivo principal é divulgar pesquisas e estudos vinculados ao campo da educação, em perspectiva interdisciplinar.</p> <p align="justify">A REVASF é uma revista aberta e gratuíta. A REVASF f<span style="font-size: 14px;">ornece informações sobre as condições de uso e reutilização dos conteúdos.</span></p> <p align="justify">A REVASF adota sistema <em>full time</em> para publicação. Isto significa dizer que o autor não precisa aguardar todos os artigos da edição ficarem prontos para a efetiva publicação, dando mais agilidade as publicações, além de intensificar os acessos a revista. A Revasf incorpora ainda o modelo <em>Ahead of print</em>, que é a publicação antecipada dos artigos aprovados pela Comissão Editorial (com revisões parciais), contribuindo mais rapidamente para a difusão das pesquisas.</p> <p align="justify">A partir da próxima edição "setembro-dezembro/2019" estaremos seguido, rigorosamente, o limite de 20% para a taxa de endogenia por edição (autores oriundos da Revasf). Caso haja excedente, os autores oriundos da Univasf com artigos aceitos serão escalonados para futuras edições. Esta medida visa adequação da política editorial aos padrões de avaliações (ver também em "Notícias").</p> <p align="justify">Revasf fortalece política de internacionalização (ver em "Notícias").</p> <p><strong>CASDASTRO DE USUÁRIO COMO AVALIADOR DE MANUSCRITOS DA REVASF:</strong></p> <p>Só é permitido o cadastro de usuários como AVALIADOR na condição de DOUTOR. Os demais cadastros (leitor e autor) não existem retrições em termos de titulação.</p> <p>Obs. Excepcionalmente, os editores da Revasf poderão cadastrar usuários como avaliadores sem a titulação de doutorado (isso para atender especificifdades da área de avaliação).</p> <p><strong>QUALIS/CAPES (2013 - 2016):</strong></p> <p>– Área de Ensino: B1</p> <p>- Área de Educação: B3</p> <p>– Área Interdisciplinar: B4</p> <p>- Área de Medicina Veterinearia: B5</p> <p>- Área de Ciências Agrárias I - B5</p> <p>– Área de Psicologia: B4</p> <p>– Área Interdisciplinar: B4</p> <p>– Árera de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo: B4</p> <p>– Área de Materiais: B5</p> <p><strong>POSSÍVEL AVALIAÇÃO DO NOVO QUALIS/CAPES: B2</strong></p> <p> </p> <p><strong>INDEXAÇÕES, PORTAIS E BASES DE DADOS</strong></p> <p>A REVASF faz parte do Periódicos Capes, no Portal SEER, Diadorim, Google Scholar, LivRe, OASISBR, Latindex, Portal openAIRE, Apache Open Archives, OAJI Open Academic Journals Index, Ibict OASISBR no Diretório de Periódicos Nacionais de Educação, REDIB e integrada a LatinRev.</p> <p align="justify"> </p> Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF pt-BR Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco 2177-8183 <p>&nbsp;</p> <p>• O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do artigo na revista.<br>• O(s) autor(es) garante(m) que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s).<br>• A revista não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).<br>• É reservado aos editores o direito de proceder ajustes textuais e de adequação do artigos às normas da publicação.</p> <p>• Os Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br><br></p> <ol> <li class="show">Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a title="Creative Commons" href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Attribution License</a>, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado.</li> </ol> Ensino remoto e seus desafios em decorrência da Pandemia da Covid-19 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1795 <p style="font-weight: 400;">O presente texto objetiva apresentar a experiência da formação de professores a partir do estágio docente em tempos de pandemia, sob a metodologia do Ensino Remoto Emergencial (ERE). Ao longo do artigo, refletimos sobre a aproximação da realidade com a atividade teórica ao abordar as múltiplas dimensões da formação de mestres e de doutores para a docência no ensino superior e as mediações com a sala de aula no contexto do Ensino Remoto Emergencial em decorrência da pandemia da Covid-19. Os resultados mostram os limites do ensino remoto, mas também sinalizam para a importância do estágio docente na capacitação e na qualificação pedagógica de recursos humanos para o ensino superior.</p> Maria Cecília de Souza Minayo Renan Antônio da Silva Felipe Freitas de Araújo Alves Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-05-04 2022-05-04 12 28 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM COLETIVO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE PRÁTICAS EDUCATIVAS EM TEMPOS DE PANDEMIA DA COVID-19 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1766 <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%; orphans: 2; widows: 2;" align="justify"><span style="font-family: Arial, sans-serif;">O contexto investigado e relatado é um Centro de Educação Infantil municipal localizado na cidade de Brusque – SC. Participaram deste relato de experiência três pesquisadores: (a) a coordenadora pedagógica; (b) o professor de Educação Física; (c) a pedagoga. O objetivo foi descrever a trajetória do coletivo de um Centro de Educação Infantil em tempos de pandemia COVID-19. Para tal, classifica-se a pesquisa em sua natureza como qualitativa e quanto ao objetivo, descritiva, quanto ao procedimento se constitui um relato de experiência. No ano de 2020 a escola precisou se mover numa dinâmica que fosse melhor para a criança e sua família, tendo que se adaptar e se reinventar para levar o ensino até as casas dos educandos. Os professores planejaram atividades de acordo com o contexto da criança em família, que fossem possíveis de serem realizadas em casa, com materiais de fácil acesso. Na formação continuada docente, as </span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><em>lives </em></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;">e/ou reuniões organizadas com a coordenação pedagógica ou com palestrantes convidados, auxiliaram na procura das respostas para as questões inéditas que surgiram nesta etapa. Cada profissional, cada área, cada função tinha uma nova realidade, e consideramos que os processos formativos, o registro por meio do portfólio coletivo e a cooperação mútua foram elementos fundamentais para a continuidade do trabalho no período pandêmico. </span></p> Graciela Nunes Duarte Lucas Vitor Baumgärtner Jéssica Monique Buss Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 28 MEDIAÇÃO SOB A ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1750 <p>Ao estudar a teoria histórico-cultural, compreende-se que as ações humanas são social e semióticamente mediadas por instrumentos culturais criados pelos seres humanos. Tendo isso em mente, o objetivo deste trabalho é abordar o conceito de mediação em pesquisas, produzidas no ano de 2018, publicadas no banco de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses Dissertações. O questionamento que norteia este estudo é: quais os entendimentos produzidos, no ano 2018, acerca do conceito mediação sob a perspectiva da teoria histórico-cultural? A pesquisa foi organizada em duas unidades de análise: a unidade “Focado no Conceito Mediação” possui pesquisas que apresentam aporte teórico extenso acerca do conceito mediação, diferentemente da unidade “Não Focado no Conceito Mediação”, que apresentou estudos cujo conceito de mediação é abordado de forma superficial.</p> Alexa Fagundes dos Santos Isabel Koltermann Battisti Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 28 EXPLORANDO AS POTENCIALIDADES DO GAME MULTICRAFT NA APRENDIZAGEM DA GEOGRAFIA ESCOLAR https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1742 <p>O presente artigo é resultado de uma pesquisa de especialização em Ciência e Tecnologia de uma Instituição de ensino catarinense, cujo objetivo foi explorar as potencialidades do <em>Game Multicraft</em> no processo de construção do raciocínio geográfico e as transformações espaciais a partir do seguinte problema: Quais são as potencialidades do <em>Game Multicraft </em>que os(as) professores(as) podem explorar na aprendizagem da Geografia Escolar? Em função do objetivo traçado e da questão problema, a metodologia ancorou-se na pesquisa do tipo qualitativa com a abordagem do estudo de caso envolvendo trinta e três estudantes de uma turma do sexto ano do Ensino Fundamental com idade entre onze e treze anos. O <em>lócus</em> da investigação foi uma escola municipal localizada na área periférica do município de Joinville/SC. Para a geração de dados, foi aplicado uma atividade prática “Gamificando os Setores da Economia” utilizando a interface do <em>Game Multicraft</em> e adaptando-a aos conteúdos geográficos, e posterior aplicação de um questionário semiestruturado com questões abertas e fechadas. Os achados da investigação evidenciaram, a princípio, que o uso desse <em>Game</em> no ensino de Geografia contribuiu para uma aprendizagem interativa, colaborativa e criativa. Além do que, o seu uso possibilitou que os/as estudantes obtivessem maior contextualização em relação aos conteúdos e conceitos trabalhados.</p> Janice Souza Mebs Luiz Martins Junior Marcia Vidal Candido Frozza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 28 ENTRE O PLAY E O GAME OVER https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1740 <div><span lang="PT">Desde as atividades de trabalho, passando pela forma de se estudar e identificar novos conhecimentos, a mediação influenciada pelas Tecnologias de Informação e Comunicação tendem a expandir suas áreas de atuação. Dessa maneira a concepção do conhecimento tem vindo de diferentes fontes e/ou tecnologias. É válido pontuar que a inteligência, ao longo da história, tem recebido diferentes definições, mas, em sua maioria, tiveram como base o raciocínio lógico e o pensamento matemático. Contrariando esses pensamentos, a teoria das Inteligências Múltiplas, criada por Howard Gardner, mostra como principal argumento que existem distintas inteligências e cada uma possui particularidades que precisam passar por estímulos significativos para serem desenvolvidas. Para tanto procede-se a seguinte metodologia, através de uma pesquisa exploratória, buscou-se neste trabalho analisar os jogos eletrônicos, especialmente os considerados não-pedagógicos, como potencializadores dessas variadas inteligências. Foi realizada uma revisão sobre os jogos e sua importância para formação do indivíduo, e, em seguida, realizada as indicações de jogos específicos para estimular as 8 inteligências identificadas por Gardner. Deste modo, observa-se que os resultados sugerem que os jogos apresentados podem contribuir para o estímulo das inteligências múltiplas, permitindo-nos concluir que a experiência do jogo pode proporcionar momentos de aprendizagem ao jogador.</span></div> Willmara Marques Monteiro Thâmillys Oliveira Ricardo Bitencourt Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 28 Formação inicial de professores https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1712 <p>O presente texto trata de uma pesquisa bibliográfica-documental com enfoque na Base Nacional Comum Curricular para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica – BNC/Formação, publicada em 2019. Propõe examinar algumas diretrizes expressas na BNC/Formação, considerando as concepções, os fundamentos, as proposições e as limitações, bem como suas contradições, ambiguidades e retrocessos. Problematiza o processo de formação de professores da Educação Básica ancorado em uma política regulatória e altamente determinada pelo interesse neotecnicista. Compreende-se que o documento mandatário retoma o caráter da pedagogia de competências para a formação docente. Sinaliza-se, ainda &nbsp;que em relação a documentos anteriores, tais como a Resolução CNE/CEB 02/2015, houve sérios retrocessos na proposta de formação, uma vez que separa a formação inicial da formação continuada, além de não contemplar dimensões estruturantes da docência no contexto escolar da Educação Básica.</p> Luiz Martins Junior Julice Dias Marcia Vidal Candido Frozza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 O PROFESSOR PESQUISADOR https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1704 Adson Luan Duarte Vilasboas Seba Lucilene Justina da Silva Maira Bras Costa Sergio José Terlizzi Sylvain Anagonou Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 12 28 386 390 Concepções, Diagnóstico e Intervenção no Atendimento à Dificuldade de Aprendizagem na Leitura e Escrita em Dois Municípios https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1695 <p>A Dificuldade de Aprendizagem (DA) na leitura e escrita pode ser entendida como a dificuldade apresentada pelo indivíduo durante o complexo processo de aprender a ler e escrever, em decorrência de fatores neurológicos, cognitivos, afetivos ou pedagógicos. Diante do crescente número de queixas de alunos possuírem DA na leitura e escrita ou mesmo a dislexia, o objetivo da pesquisa foi realizar um levantamento sobre como tem sido realizado o atendimento à DA na leitura e escrita em escolas da rede pública em dois municípios. Quarenta e dois participantes (gestores e coordenadores de escolas municipais e profissionais de núcleos de atendimento) responderam questionários semiestruturados sobre suas concepções sobre DA na leitura e escrita, seu diagnóstico e a intervenção nesses casos. A análise de dados foi realizada com base na Análise de Conteúdo de Bardin. Comprovou-se que as concepções em torno DA na leitura e escrita são alvo de confusões teóricas. Observou-se a ausência de uma equipe interdisciplinar no diagnóstico e tratamento da DA, bem como uma relação ainda distante entre família e escola. Pesquisas futuras são sugeridas.</p> Maria Tarciana Millen Maressa Souza Neiva Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 RELAÇÃO ENTRE AS NEUROCIÊNCIAS E EDUCAÇÃO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1699 <p>Este manuscrito tem por objetivo buscar compreender a importância das contribuições em neurociência para a formação dos docentes e as educações. Para isso fez-se uma pesquisa qualitativa-exploratória, por meio de um levantamento bibliográfico em meio eletrônico utilizando ferramenta de busca do portal de periódicos da plataforma CAPES (trabalhos publicados de 2016-2020). Para melhor compreensão os materiais foram analisados por meio da análise de conteúdo de Laurence Bardin, estruturada em três etapas: Pré-análise; Exploração do Material e Tratamento de Resultados. Evidenciou-se por meio da análise de conteúdo as contribuições das neurociências para a educação a partir de três categorias emergentes: i) As neurociências na educação e aprendizagem; ii) Conhecimento das neurociências que devem ser adotados pelos professores; e iii) Dificuldade da aplicação dos saberes neurocientíficos na prática docente.</p> Maria Eduarda Christoni da Silva Alexandre Luiz Polizel Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 Editorial - Há que esperançar! https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1694 Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-09-16 2021-09-16 12 28 Expediente 2021 V. 11, n 25 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1693 Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-09-16 2021-09-16 12 28 APRESENTAÇÃO DO DOSSIˆE O HISTORIADOR DA EDUCAÇÃO E SEU OFÍCIO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1680 <p>O campo de pesquisa e estudos em História da Educação tem se consolidado no Brasil, particularmente pelo esforço de articulação de grupos de pesquisa vinculados a diferentes Instituições de Ensino Superior do país.</p> <p>Tem-se como objetivo principal deste dossiê discutir sobre a produção do conhecimento em história da educação tendo como tema o<em> historiador da Educação e seu ofício</em>, incorporando o debate acerca de acervos e fontes à história da educação. Considera-se aqui o ofício com base na atuação do historiador da educação como professor e como cientista.</p> Olivia Morais de Medeiros Neta Maria Inês Sucupira Stamatto Fabiana Sena Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-08-31 2021-08-31 12 28 363 366 ABORDAGEM DO BULLYING NO ENSINO FUNDAMENTAL ATRAVÉS DE METODOLOGIAS ATIVAS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1675 <p><span style="font-weight: 400;">O </span><em><span style="font-weight: 400;">bullying</span></em><span style="font-weight: 400;"> se caracteriza por ações agressivas e repetitivas, praticadas por uma ou mais pessoas, que objetivam inferiorizar a vítima</span><span style="font-weight: 400;"> em seus atributos físicos e intelectuais</span><span style="font-weight: 400;">, sendo a sua ocorrência frequente em espaços escolares. A partir da concepção de que escola é um espaço de construção do conhecimento, promotor de oportunidades para exploração de temas que contribuam para a qualidade de vida de seus educandos, temáticas que suscitem reflexão e aprimoramento do comportamento devem ser priorizadas nesses espaços. Diante disso, as metodologias ativas se mostram como estratégias eficazes ao promoverem a participação ativa discente na construção do saber, além de estimular o desenvolvimento de autonomia, de postura crítica sobre o meio em que está inserido. </span><span style="font-weight: 400;">Trata-se de um relato de experiência baseado na aplicação do jogo “Vigilantes do </span><em><span style="font-weight: 400;">Bullying</span></em><span style="font-weight: 400;">”, adaptado por discentes do curso de medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco - Paulo Afonso,</span><span style="font-weight: 400;"> para estudantes do ensino fundamental de uma escola pública.&nbsp;</span><span style="font-weight: 400;">A</span><span style="font-weight: 400;"> dinâmica possibilitou o compartilhamento, por parte dos discentes, de experiências sobre as formas de violência na escola.&nbsp; Reflexões foram propostas pelos aplicadores com o objetivo de construir habilidades, atitudes e conhecimentos capazes de identificar e combater a prática do </span><em><span style="font-weight: 400;">bullying</span></em><span style="font-weight: 400;">, propondo alternativas para a busca de ajuda diante destas situações. </span><span style="font-weight: 400;">Percebeu-se que utilizar uma atividade lúdica atrelada às metodologias ativas é uma proposta coerente para a promoção de um ambiente saudável e propositivo de ensino-aprendizagem sobre o </span><em><span style="font-weight: 400;">bullying</span></em><span style="font-weight: 400;"> e sua relação com pautas como sexismo, identidade de gênero, orientação sexual e racismo.</span></p> Mayara Marques de Santana Vitória Santos da Silva Ana Júlia Alves da Silva Anna Clara Oliveira Silva Crislayne Kaline Alves de Oliveira Anacely Guimarães Costa Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 O HISTORIADOR DA EDUCAÇÃO E SEU OFÍCIO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1674 <p>O artigo aborda uma reflexão acerca do ofício do historiador da educação. Para tanto, parte-se da consolidação da História da Educação como disciplina e campo do conhecimento, de acordo com os conceitos de Chervel (1990) e Bourdieu (1983). No que tange a atividade docente, serão destacados os desafios vivenciados na formação dos professores. Nunes (2006) entendeu que a disciplina História da Educação tem por finalidade ensinar a pensar historicamente, destacando-se o desafio intrínseco dessa missão. Já como cientista, o historiador da educação, independentemente de sua formação inicial, possui um compromisso com o que Certeau (1982) denominou de operação historiográfica, sendo esta constituída por três etapas distintas: o lugar social, a prática na pesquisa com as fontes históricas e a construção da narrativa histórica. Na primeira etapa serão destacados os lugares de fala do historiador da educação, tais como: os programas de Pós-Graduação, Associações, grupos de trabalho, eventos acadêmicos e revistas científicas. Na sequência, as fontes utilizadas para a construção do conhecimento em História da Educação e a constituição de arquivos físicos e virtuais para o atendimento dessa demanda. E, no que se refere à construção da narrativa, Certeau (1982) destacou que essa é diretamente influenciada pelos cânones cronológicos da História, pela prática e pelo lugar social. Para a elaboração dessa reflexão, buscou-se ainda respaldo nas obras de diversos autores que refletiram sobre a História da Educação: Antônio Nóvoa, Demerval Saviani, Diana Vidal, Luciano Mendes de Faria Filho, Claudinei Lombardi, Antônio Carlos Ferreira Pinheiro, dentre outros. Por fim, entende-se que o ofício do historiador da educação é permeado pelo caráter didático da atividade docente e pela escrita da história que tem como objeto os processos educativos, sendo ambos influenciados pela memória e pelo esquecimento inerentes aos embates representacionais.</p> Anna Gabriella de Souza Cordeiro Brasil Maria Inês Sucupira Stamatto Olivia Morais de Medeiros Neta Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-08-25 2021-08-25 12 28 367 393 APRESENTAÇÃO DO DOSSIÊ EDUCAÇÃO E SAÚDE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1668 <p>Os artigos apresentados no dossiê <strong>Educação e Saúde: conversando com saberes interdisciplinares e tecnologias</strong> convergiram com o nosso objetivo de trazer reflexões que possibilitam pensar novas práticas, arranjos teórico-metodológicos para a transformação do campo educacional por meio de suas práticas pedagógicas e novas alternativas de ensino e aprendizagem. Com base em novos saberes e informações, além de outras possibilidades de gerenciamentos de atividades de aprendizagem, é possível desenvolver o pensamento crítico em reflexões sobre educação, sobre políticas de ensino adotadas, bem como em relação a transformações sociais necessárias para conquistas da cidadania, dos direitos humanos e fundamentais e para minimizar processos de desigualdade. A discussão entre saúde e educação também se dá na formação em relação à formação em saúde, sempre num debate inter/ transdisciplinar e contextual do tema (...)</p> Cristina Miyuki Hashizume Zaira de Andrade Lopes Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-08-09 2021-08-09 12 28 240 241 À GUISA DE PREFÁCIO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1667 <p>Ao findar do ano de 2019, o mundo todo se deparou com um surpreendente fenômeno, que impactou as vidas diárias e o cotidiano de bilhões de pessoas em todos os continentes e seus países, a pandemia COVID-19. À medida que a pandemia Covid-19 se intensificava, seus efeitos colocavam em colapso várias estruturas que regulam o funcionamento social, especialmente, a economia e os serviços de saúde. Mas também dadas as proporções e propagação de rápida contaminação em meio às multidões, as relações sociais e afetos também foram impactadas.</p> Cristina Miyuki Hashizume Zaira de Andrade Lopes Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-08-09 2021-08-09 12 28 242 252 TODA HISTÓRIA DE VIDA É UMA OBRA DE ARTE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1665 <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;">A sexta competência da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – Trabalho e Projeto de Vida – oferece oportunidades para o desenvolvimento de inovadores dispositivos para a (auto)reflexão, dentro de uma abordagem integral do ser humano. Nesse sentido, este texto apresenta os ateliês biográficos de projeto (ABP) como ambiências estratégicas de criação de projetos de vida para que os educandos, numa perspectiva </span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>autopoiética</em></span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;">, possam se projetar no amanhã, a partir de seus conhecimentos, experienciais de individualização e de subjetivação, em seus contextos sociais. Assim, tomando a vida como uma obra de arte singular, aberta e viva, os ateliês biográficos de projeto podem favorecer a construção reflexiva das existências dos formandos da educação básica. Por fim, é apresentada a </span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>Dinâmica das Cartas </em></span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;">como um dos dispositivos experienciais possíveis de </span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>autobiografização</em></span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"> e </span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>heterobiografização, </em></span></span><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;">no âmbito do um ateliê biográfico. </span></span></p> Alexsandro dos Santos Machado Rafael Arenhaldt Irene Reis dos Santos Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 Reflexões sobre a incorporação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) na educação básica para além de visões instrumentais https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1639 <p>As “Tecnologias da Informação e Comunicação” (TICs) – representadas por computadores, smartphones e tablets, entre outros aparatos – têm modificado as diferentes relações sociais, de maneira geral, e o processo de construção do conhecimento, de modo particular. Quando se fala em TICs no ambiente escolar, não raro encontramos posicionamentos que concebem estas tecnologias somente como “materiais didáticos” ou “metodologias”, o que significa considerá-las simples ferramentas didático-pedagógicas. Nesse sentido, visando superar visões instrumentais sobre as TICs, no presente artigo propomos a compressão das modernas tecnologias como dispositivos responsáveis por gerar novas formas de ensinar e apreender. Constatou-se que as TICs são artefatos culturais que podem modificar a própria maneira como o cérebro humano aprende. Nosso procedimento de pesquisa foi caracterizado pelo levantamento de literatura a respeito dos impactos sociais e cognitivos do uso das tecnologias digitais.</p> Francisco Fernandes Ladeira Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 ATIVIDADES EDUCACIONAIS SOBRE RACISMO E POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1628 <p>Este artigo é uma investigação acerca de atividades audiovisuais educacionais extensionistas realizadas sobre questões relacionadas a temas como o racismo e as políticas de ações afirmativas, tendo como público alunos de duas escolas públicas de ensino médio com diferentes perfis sociais, ambas localizadas no litoral norte paulista. As ações se caracterizaram principalmente pelo uso de textos, imagens e vídeos de curta duração que pudessem propiciar uma reflexão mais profunda sobre os preconceitos raciais e os valores que permeiam a sociedade em que vivemos, tendo em vista estereótipos que são frequentemente naturalizados. As apresentações procuraram utilizar a música como ferramenta para debater e informar acerca luta contra o racismo no Brasil. Em particular, o uso da música “Cota não é esmola” da compositora Bia Ferreira mostrou ser um excelente recurso didático para o debate acerca das cotas raciais. As respostas dadas por um total de 114 alunos a um questionário aplicado após as apresentações nas duas escolas, possibilitaram uma melhor compreensão acerca das opiniões deles sobre os assuntos abordados, bem com permitiram notar que eles têm um interesse considerável por conhecer mais e se informar melhor sobre temas como as ações afirmativas.</p> Beatriz Aguida Gomes Ricardo Roberto Plaza Teixeira Teixeira Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-01-14 2022-01-14 12 28 245 274 O ENSINO REMOTO E AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NA PERSPECITVA DO PROFESSOR DO ENSINO MÉDIO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1580 <p>Este artigo tem como objetivo discutir como professores compreendem o processo das aulas remotas, utilizando as tecnologias digitais, em tempos de distanciamento social. Os dados aqui apresentados fazem parte de uma pesquisa de abordagem qualitativa com professores de duas escolas de ensino médio localizadas em uma cidade do norte de Santa Catarina. Foi utilizada como técnica de coleta de dados a entrevista com cinco professores. A coleta ocorreu em 2020, quando as aulas presenciais foram suspensas e passaram a ser de forma remota, com o uso das tecnologias digitais. Os resultados apontaram que os professores tiveram uma formação técnica para desenvolver suas aulas de forma remota, porém acentuaram as dificuldades em utilizar sua casa como sala de aula. Também indicaram que as práticas educativas pós-pandemia serão afetadas pela experiência com as tecnologias digitais das aulas remotas.</p> Marly Krüger de Pesce Raquel Terezinha Ulbrich Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 28 Edição Completa https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1601 Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-03 2021-05-03 12 28 EDUCATION AS A HUMAN RIGHT https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1600 <p>Education is a fundamental right.&nbsp; Historically Black Colleges and Universities in the US formed from the desire of African Americans to enjoy that right.&nbsp; The aim of this research was to explore the development of the HBCUs and their legacy of promoting activism.&nbsp; In using document analysis, a clear correlation is illustrated in the human struggle to obtain inalienable rights and the inhumanity of denial of such rights.&nbsp; Education for those Africans Americans affliated with HBCUs was not only sought for the sake of knowledge, but to enhance and engage the wider community.&nbsp;</p> Tiffany Holloman LaTonia Siler-Holloman Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-08-20 2021-08-20 12 28 298 320 Editorial Revasf. Estamos na Luta https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1599 Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-02 2021-05-02 12 28 4 5 Expediente 2021 V. 11, n 24 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1598 Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-02 2021-05-02 12 28 1 3 PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1593 <p>Este estudo objetivou investigar a percepção dos profissionais da Estratégia de Saúde da Família e de escolas sobre a intersetorialidade do Programa Saúde na Escola da cidade de Petrolina-PE. Trata-se de um estudo descritivo, qualitativo, no qual um questionário estruturado e autoaplicável conduziu a construção dos dados e, posteriormente, realizou-se a análise descritiva e de conteúdo. Os resultados mostraram que os profissionais ainda enfrentam obstáculos advindos da ausência de integração entre os setores envolvidos, despreparo de alguns profissionais, dificuldades em harmonizar cargas horárias e agendas dos diversos profissionais envolvidos, e frequência de capacitações. Conclui-se, portanto, que é necessária uma avaliação, <span style="text-decoration: line-through;">e</span> assim como, apoio da gestão do programa e dos demais profissionais, visando a formulação de estratégias para minimizar e superar as adversidades, tornando os profissionais aptos a atuarem de maneira equânime com as diretrizes e objetivos do programa.</p> Taciane Feitosa Lima dos Santos Michele Vantini Checchio Skrapec Diego Felipe dos Santos Silva Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-11-14 2021-11-14 12 28 51 70 PERCEPÇÕES DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA ACERCA DAS METODOLOGIAS DE ENSINO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1569 <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Um dos nu?cleos do Programa Institucional de Bolsas em Iniciac?a?o a? Doce?ncia (Pibid) vinculado a? Universidade Federal de Sergipe e? formado por licenciandos em Matema?tica no Campus Sa?o Cristo?va?o. Em uma de suas atividades, realizamos uma oficina intitulada “Da construc?a?o a? aplicac?a?o: uma proposta para o estudo de a?rea”, na qual, buscamos articular diferentes metodologias de ensino da matema?tica apresentando potencialidades de um u?nico material dida?tico na</p> <div class="page" title="Page 2"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>abordagem de diferentes objetos de conhecimento. Neste artigo, objetivamos identificar as percepc?o?es de bolsistas pibidianos acerca da vive?ncia nessa pra?tica e as possi?veis implicac?o?es desta vive?ncia na formac?a?o desses futuros docentes. A ana?lise dos resultados, nos permitiu apontar duas categorias: mobilizac?a?o de bolsistas pibidianos para a doce?ncia e as potencialidades das metodologias de ensino da matema?tica. Inicialmente, apresentamos um debate sobre a formac?a?o de professores e metodologias de ensino. Em seguida, as percepc?o?es dos licenciandos a respeito de sua participac?a?o na Oficina. Tais resultados reforc?am as importantes contribuic?o?es dos programas de formac?a?o docente, como o Pibid, sendo um espac?o de aprendizagens e construc?a?o de novos saberes docentes.</p> </div> </div> </div> </div> </div> </div> Narinha Mylena Rocha da Silva Maria Cristina Rosa Kalyne Teresa Machado Nailys Melo Sena Santos Denize da Silva Souza Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-03 2021-04-03 12 28 342 367 Apresentação do dossiê https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1568 <div> <p class="Default">A formação de professores que ensinam matemática sempre foi permeada de desafios no preparo desses profissionais quanto aos métodos e técnicas de ensino que melhor se adequem às demandas educacionais, a cada época. Essas demandas resultam em reformas curriculares refletindo tendências de ensino que, por sua vez, evocam mudanças na prática docente (...)</p> </div> Denize da silva Souza José Elyton Batista dos Santos Maria Cristina Rosa Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-03 2021-04-03 12 28 246 247 A MATEMÁTICA NO COMBATE A EPIDEMIA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1561 <p>Neste artigo discutimos pedagogicamente a importância dos modelos epidemiológicos para se estudar a proliferação do Coronavírus (SARS-CoV-2), aplicando os Modelos Determinísticos SIRD, SEIRD e SIQR para analisar a proliferação da COVID-19 nas cidades de Juazeiro-BA e Petrolina-PE, que apesar da proximidade geográfica recebem informações separadas dos diferentes estados. Com esses modelos obtemos o Número Básico de Reprodução, o período de duplicação do número de casos e uma estimativa para o número de infectados assintomáticos. Além disso, utilizamos regressões não lineares para estimar o número acumulado de casos confirmados e óbitos da próxima semana, além de prever o período de inflexão do número de casos na região. Tais análises foram realizadas pelo Grupo de Modelos Matemáticos para COVID-19 do Vale do São Francisco (GMC-VASF) e divulgadas em boletins semanais.</p> Sergio Floquet Télio Nobre Leite Rômulo Calado Pantaleão Câmara Alison Marcelo Van Der Laan Melo Paulo Gustavo Serafim de Carvalho Paulo José Pereira Thiago Magalhães Amaral João Pedro da Silva Neto Copyright (c) 2021 Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-04-03 2021-04-03 12 28 100 146 PERCEPÇÕES DE DISCENTES NA ÁREA DA SAÚDE ACERCA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PAUTADA EM METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1549 <div> <p class="Corpo"><span lang="PT">Trata-se de um estudo quanti-qualitativo e exploratório, realizado com discentes de uma universidade pública brasileira, sobre a avaliação da aprendizagem com metodologias ativas de ensino. A amostra foi selecionada por conveniência e a interpretação dos dados com o </span><span lang="IT">m</span><span lang="PT">é</span><span lang="ES-TRAD">todo de an</span><span lang="PT">á</span>lise de conte<span lang="PT">ú</span><span lang="ES-TRAD">do de Bardin (2011)</span><span lang="IT"> e c</span><span lang="PT">álculos percentuais no programa </span><em>Statistical Package For The Social Science</em><span lang="PT">. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da universidade estudada sob parecer </span><span lang="ES-TRAD">n</span><span lang="PT">º 3.462.454. Participaram do estudo 123 acadêmicos dos oito cursos de graduação em saúde existentes no campus. Os resultados evidenciaram que o processo de ensino-aprendizagem e as estratégias avaliativas dos docentes são inovadoras e estimulam os alunos. Entretanto, 13,1% dos alunos que responderam ao questionamento sobre a inovação na universidade acreditam que essa não é uma realidade, apesar do uso de metodologias ativas. Nesse sentido, os alunos apontaram a existência de dificuldades a serem solucionados, e 70,7% dos mesmos apresentaram sugestões de melhorias pautadas na sua vivência acadêmica. Um marco importante das metodologias ativas é a variedade de ferramentas que englobam o processo de ensino-aprendizagem, uma vez que a possibilidade de utilizar meios não convencionais da metodologia tradicional para integrar o processo de ensino-aprendizagem contribui para os discentes identificarem qual ferramenta é melhor para a sua compreensã</span><span lang="IT">o. </span><span lang="PT">Apesar da pluralidade das atividades, é preciso a adequação dos critérios avaliativos, pois ele influencia em todo o processo metodológico de ensino-aprendizagem. O estudo revelou, ainda, que as estratégias de ensino e avaliações empregadas no curso promovem o conhecimento e contribuem para a formação de 70,5% dos que responderam a esse questionamento, enquanto que para 29,5% há necessidades de melhorias e inovações. É preciso buscar solucionar os impasses que dificultam a efetivação das potencialidades das metodologias ativas de ensino-aprendizagem na avaliação de aprendizagem. Dessa forma, novos estudos acerca dessa temática tornam-se necessários.</span></p> </div> Dayane Ketlyn da Cunha Santos José Cleyton de Oliveira Santos Maria Júlia Oliveira Ramos Glebson Moura Silva Simone Yuriko Kameo Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-10-13 2021-10-13 12 28 04 27 AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE DESENVOLVIDAS NO BRASIL SOBRE HANSENÍASE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1543 <p>A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, causada pelo <em>Mycobacterium lepra</em>e. Ações de educação em saúde são desenvolvidas, no Brasil, com o intuito de reduzir a sua carga. Este estudo objetivou identificar as ações de educação em saúde que estão sendo desenvolvidas no Brasil sobre Hanseníase nos últimos 10 anos (2010-2020). Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, com busca nas bases de dados Lilacs, Medline e PubMed, utilizando os descritores “educação em saúde”, “hanseníase” e “Brasil” em português e em inglês. Para a estratégia de busca, foi aplicado o operador booleano “AND”. Das 227 produções científicas encontradas, 13 correspondiam aos objetivos desta revisão e foram incluídas para análise. As ações de educação em saúde abordadas nos artigos foram desenvolvidas em oito diferentes estados do Brasil: Rio de Janeiro, Pernambuco, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Tocantins, Ceará e Mato Grosso. Dentre os estudos analisados, 69,2% (n=9) das intervenções incluíam menores de 15 anos como público-alvo e nove das sete atividades educacionais eram voltadas para hanseníase e traziam dados da equipe executora, do setor de enfermagem. Em relação à categoria de intervenção, 84,6% (n=11) usaram as metodologias ativas como estratégia para a disseminação do conhecimento sobre hanseníase. Pode-se observar que grande parte das ações foram desenvolvidas para escolares. Além disso, as atividades voltadas para os profissionais de saúde necessitam abranger os agentes comunitários de saúde. Por fim, as maiores frequências de estratégias de educação em saúde são realizadas em municípios de menor porte e com maior cobertura de saúde da família. Essas intervenções devem fazer uso cada vez mais das metodologias ativas na sua execução.</p> Vitoria Ingryd dos Santos Cardoso Ayara Jhulia Palmeira Dantas Lima Samilla Cristinny Santos Carolinne de Sales Marques Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-02-11 2022-02-11 12 28