Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf <p align="justify">Veículo digital para o registro e o intercâmbio de pesquisas, reflexões e experiências acerca da educação, de uma forma ampla, contribuindo para o avanço e o aprimoramento dos processos de ensino-aprendizagem.</p> <p align="justify">A Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco é um periódico quadrimestral, versão eletrônica, vinculada a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Publica artigos inéditos oriundos de pesquisas científicas, de revisões sistemáticas, de estudos teóricos e de relatos de experiências, além de entrevistas e resenhas de livros. O objetivo principal é divulgar pesquisas e estudos vinculados ao campo da educação, em perspectiva interdisciplinar.</p> <p align="justify">A REVASF é uma revista aberta e gratuíta. A REVASF f<span style="font-size: 14px;">ornece informações sobre as condições de uso e reutilização dos conteúdos.</span></p> <p align="justify">A REVASF adota sistema <em>full time</em> para publicação. Isto significa dizer que o autor não precisa aguardar todos os artigos da edição ficarem prontos para a efetiva publicação, dando mais agilidade as publicações, além de intensificar os acessos a revista. A Revasf incorpora ainda o modelo <em>Ahead of print</em>, que é a publicação antecipada dos artigos aprovados pela Comissão Editorial (com revisões parciais), contribuindo mais rapidamente para a difusão das pesquisas.</p> <p align="justify">A partir da próxima edição "setembro-dezembro/2019" estaremos seguido, rigorosamente, o limite de 20% para a taxa de endogenia por edição (autores oriundos da Revasf). Caso haja excedente, os autores oriundos da Univasf com artigos aceitos serão escalonados para futuras edições. Esta medida visa adequação da política editorial aos padrões de avaliações (ver também em "Notícias").</p> <p align="justify">Revasf fortalece política de internacionalização (ver em "Notícias").</p> <p><strong>CASDASTRO DE USUÁRIO COMO AVALIADOR DE MANUSCRITOS DA REVASF:</strong></p> <p>Só é permitido o cadastro de usuários como AVALIADOR na condição de DOUTOR. Os demais cadastros (leitor e autor) não existem retrições em termos de titulação.</p> <p>Obs. Excepcionalmente, os editores da Revasf poderão cadastrar usuários como avaliadores sem a titulação de doutorado (isso para atender especificifdades da área de avaliação).</p> <p> </p> <p><strong>QUALIS/CAPES (2017 - 2020): </strong><strong>QUALIS - B1</strong></p> <p> </p> <p><strong>INDEXAÇÕES, PORTAIS E BASES DE DADOS</strong></p> <p>A REVASF faz parte do Periódicos Capes, no Portal SEER, Diadorim, Google Scholar, LivRe, OASISBR, Latindex, Portal openAIRE, Apache Open Archives, OAJI Open Academic Journals Index, Ibict OASISBR no Diretório de Periódicos Nacionais de Educação, REDIB e integrada a LatinRev.</p> <p align="justify"> </p> Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF pt-BR Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco 2177-8183 <p>&nbsp;</p> <p>• O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do artigo na revista.<br>• O(s) autor(es) garante(m) que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s).<br>• A revista não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).<br>• É reservado aos editores o direito de proceder ajustes textuais e de adequação do artigos às normas da publicação.</p> <p>• Os Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br><br></p> <ol> <li class="show">Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a title="Creative Commons" href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Attribution License</a>, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado.</li> </ol> APRESENTAÇÃO DO EDITORIAL REPRESENTAÇÕES SOCIAIS NA CONTEMPORANEIDADE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2126 <p style="font-weight: 400;">Esse dossiê intitulado <strong>Representações Sociais na Contemporaneidade </strong>retrata alguns dos trabalhos que foram apresentados durante a segunda edição, sendo a primeira em dimensão internacional, do <strong>Congresso Internacional Interdisciplinar sobre Representações Sociais e sobre Qualidade de Vida (CIRSQVASF)</strong>, que aconteceu entre 15 a 17 de dezembro de 2021, com objetivo de contribuir para assegurar a dignidade como elemento básico da qualidade de vida dos cidadãos, principalmente em tempos de pandemia, além de ser um espaço para construção de conhecimentos a partir de pesquisas do campo da saúde, da educação, do meio ambiente, cultura, direitos humanos, etc. O evento, promovido pelo <strong>Grupo de Pesquisa Interdisciplinar sobre Saúde, Educação e Educação Física (Gipeef),</strong> da <strong>Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)</strong>, em parceria com pesquisadores(as) de universidades do Brasil, Estados Unidos da América, França, Espanha e Portugal, teve como parte de sua programação a <strong>I Olimpíada Internacional Virtual de Casos Clínicos de Cuidados em Saúde (Olymhealthcare),</strong> além de mesas-redondas, oficinas, apresentações de trabalhos, premiações e atividades de intervenção. Ao todo, durante os três dias de congresso, foram realizadas 14 mesas redondas, uma oficina, dois momentos de apresentação de trabalhos, uma atividade de promoção à saúde e uma atividade cultural, com a <strong>Orquestra Sinfônica Coral</strong>, da <strong>Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)</strong>, além das três etapas da Olymhealthcare. As Olimpíadas foram inseridas na programação como estratégia educacional, proporcionando aos discentes a oportunidade de aprender, demonstrar conhecimentos e habilidades. Tivemos a intenção de possibilitar aos discentes a experiência vivenciada na competição entre equipes e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento docente de cursos da área da saúde, no acompanhamento da elaboração dos casos clínicos, da sua aplicação e avaliação. Assim, esse dossiê está composto por três artigos instigantes e interessantes que nos despertam à vontade do entendimento e elucidação dos objetos estudados. Os artigos tratam sobre: a) O primeiro artigo, escrito por <strong>Greice Sabadini (UFES), Priscilla de Oliveira Martins-Silva (UFES) e Ramon Missias-Moreira (GIPEEF/UNIVASF)</strong> <strong>Representações Sociais e Thematas em carreira</strong>, teve o objetivo de identificar os thematas que promovem a construção das representações sociais de carreira dos profissionais jovens e mais velhos inseridos na área de negócios; b) A pesquisa desenvolvida pelas autoras <strong>Suzana Borba e Rejane Dias da Silva, ambas da UFPE</strong>, trouxeram reflexões sobre as <strong>Representações Sociais de Formação Inicial pelos licenciandos em Música da UFPE</strong>, e objetivou compreender as representações sociais no processo de formação inicial de professores de Música da UFPE; c) A terceira investigação apresentada neste dossiê, é recorte de uma pesquisa de Doutorado em Educação, intitulada <strong>Professores universitários de cursos de Educação Física da Espanha em suas Representações Corporais digitais</strong>, com o objetivo de analisar as representações corporais no <em>facebook</em> de um grupo de professores de cursos de Educação Física da Espanha, tendo o&nbsp; suporte da Teoria das Representações Sociais, assim como os estudos da Subjetividade, Cibercultura e as Pedagogias Corporais. Os autores <strong>Ramon Missias-Moreira (GIPEEF/UNIVASF) e Manuela Hasse (Universidade de Lisboa, Portugal)</strong>, argumentam que esses corpos virtualizados não conseguem ficar no tédio e por isso eles são modificados rapidamente a cada clique intencional e isso renova as representações e suas mensagens, suas histórias. Esse espetáculo tem uma programação rápida para começar, agitar, fazer barulho e depois se despedir da forma mais alegre e convidativa para uma próxima. Esse ciclo retroalimenta esse processo de espetacularização corporal com diversos intuitos, mas podemos assegurar que independentemente de quais sejam os objetivos iniciais e os que se modificam no “entre”, sempre acontecem aprendizagens. São dois territórios contínuos de aprendizagem: o corpo individual e o corpo coletivo (o <em>facebook</em>). Dessarte, é com uma imensa alegria, grande satisfação que convidamos e desejamos a todos(as) uma <strong>prazerosa e profícua leitura dos artigos que valorizam a Teoria das Representações Sociais e estão nessa edição suplementar.</strong></p> Ramon Missias-Moreira Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-17 2022-10-17 12 29 Expediente 2022 V. 12, n 28 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2115 Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-01 2022-10-01 12 29 HERMENÊUTICAS SOBRE EDUCAÇÃO CRÍTICA E RECONHECIMENTO POLÍTICO DA SUBJETIVIDADE TRANS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2114 <p style="font-weight: 400;">Este escrito é um ensaio hermenêutico sobre alguns reguladores da subjetividade trans, abordando contribuições da educação crítica, da psicologia, dos conceitos de ajustamento criativo, de reconhecimento, da <em>linguagem inclusiva </em>e da manifestação pela arte musical de três personagens da cena brasileira. Consideramos o nome de uma pessoa no registro de nascimento, o nome artístico e a performatividade não binária como chaves de identificação subjetiva e social conexas a vivência de si mesmo. Concluímos que o autorreconhecimento e o reconhecimento social transcendem a referência heteronormativa de gêneros, “borrando” fronteiras. Ambos são marcadores da subjetividade trans que permeiam o reconhecimento da diversidade humana e do direito de ser quem se é.</p> Adelma Pimentel Davi Miranda Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-01 2022-10-01 12 29 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE FORMAÇÃO INICIAL PELOS LICENCIANDOS EM MÚSICA DA UFPE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2099 <p>O presente artigo objetivou compreender as representações sociais no processo de formação inicial de professores de Música da UFPE. Adotamos como aporte teórico metodológico a Teoria das Representações Sociais (TRS), formulada por Serge Moscovici em 1961 e a Teoria do Núcleo Central (TNC) delineada pelo psicólogo Jean Claude-Abric em 1976. Norteada pelo enfoque qualitativo <em>online </em>a pesquisa consistiu no emprego de duas etapas distintas, ou seja, a Técnica de Associação Livre de Palavras (TALP) e as entrevistas semiestruturadas. Participaram do estudo 48 estudantes na primeira etapa e 9 estudantes na segunda etapa. O material foi analisado com o auxílio do <em>software</em> IRAMUTEQ e as entrevistas semiestruturadas com o emprego da Análise de Conteúdo proposta por Bardin (1977). A categorização foi delineada com base nos saberes docentes elencados por Tardif (2010). Os resultados revelam que a estrutura interna das representações sociais dos estudantes se organiza em torno da categoria disciplinar, apontando que a ênfase da formação ainda se fundamenta na noção do <em>habitus conservatorial</em> que consiste na prevalência da matriz curricular que norteia o curso de disciplinas específicas e aplicação métodos de ensino que priorizam o desenvolvimento técnico para o domínio instrumental e vocal. Identificamos que o núcleo central é constituído pelas categorias pedagógica e afetiva. Tais resultados apontam a necessidade da matriz curricular do curso ampliar os conhecimentos pedagógicos e articulá-los com os específicos (disciplinares), bem como aprofundar e esclarecer os objetivos do curso e as esferas de atuação do educador musical.</p> <p>&nbsp;</p> Suzana Borba da Silva Rejane Silva Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-03 2022-10-03 12 29 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E THEMATAS EM CARREIRA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2095 <p>Este estudo trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, cujo objetivo foi identificar os thematas que promovem a construção das representações sociais de carreira dos profissionais jovens e mais velhos inseridos na área de negócios. Para isso, foi aplicado como instrumento de coleta de dados um questionário contendo dados sociodemográficos para caracterização dos sujeitos e perguntas abertas para coleta de informações sobre o objeto social estudado. No procedimento de análise de dados, foi empregada a classificação hierárquica descendente por meio do software Iramuteq. A partir desta análise, concluiu-se que os thematas de base “Juventude/Velhice”, “Indivíduo/Sociedade” e “Futuro/Passado” exprimem as ideias-fonte que caracterizaram os resultados e demarcaram as discussões desta pesquisa.</p> Greice Sabadini Priscilla de Oliveira Martins-Silva Ramon Missias-Moreira Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-03 2022-10-03 12 29 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM OU PARA APRENDIZAGEM? ALGUMAS REFLEXÕES POSSÍVEIS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2051 <p>O ato sistemático de interação entre professor e aluno no espaço da sala de aula, definido como ato pedagógico ou ação pedagógica, tem como base: o currículo como definidor de perfis, a didática como instrumento norteador da prática pedagógica, a metodologia como definidora de como o conteúdo será comunicado e tratado, e a avaliação que tem dupla ação: a primeira, como instrumento de coleta de informações e segunda, como subsidiária da ação docente. O presente artigo visa a produzir reflexões sobre avaliação da aprendizagem e sua função na prática docente. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico. A fundamentação teórica tomou por base os estudos de: Hoffmann (1995, 2009), Freire (1980, 2011), Libâneo (1985, 2000, 2004), Luckesi (1996, 2003, 2011), Magda Soares (1981), Fernandes (2005). Os principais resultados obtidos assinalam para uma forte crítica ao modelo avaliativo punitivo e excludente, ao tempo em que aponta para um modelo de avaliação - avaliação para aprendizagem -, que contribui para a inclusão e melhoria dos processos que produzem aprendizagem.</p> Paulo César Marques de Andrade Santos Amanda da Silva Almeida Jozimeire da Silva Almeida Ivani Maria de Souza Gonçalves Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-12 2022-09-12 12 29 EDITORIAL DOSSIÊ https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2045 <p>ENSINO REMOTO EMERGENCIAL E SAÚDE MENTAL NAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS</p> Shirley Macêdo Joelma Ana Gutiérrez Espíndula Alessandro de Magalhãe Gemino Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-12 2022-08-12 12 29 PEDRA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/2032 <p style="font-weight: 400;">O ensaio trata do poema “No meio do caminho”, de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1928. Levanta inquietações marcadas pela ambivalência subjetiva não apenas das palavras repetidas, mas dos elementos linguísticos contrastantes. Um dos críticos da obra inscreve a omissão freudiana do poeta marcada pela presença/ausência da pedra/perda, talvez como causa irredutível de seu desejo. O ensaio se alimenta empiricamente de conceitos teóricos e empíricos resultantes das leituras acumuladas ao oferecer o que é dito, o que não é dito e o que é proibido. O poema esculpe a pedra e esconde a perda nas sombras de seus processos constitutivos como sujeito de falta.</p> Ana Maria Nogueira Antônia G. A. Ameida Fouyer Adélia Nogueira Neta Juliana Nogueira Barros Silva Lúcia Neide Nogueira Maria de Lourdes Soares Ornellas Mirian Nogueira Romão Nasilda Nines N. Leite Samara Mércia Soares Silvana Silvana M. L. Cabral Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-01 2022-08-01 12 29 ENSINO REMOTO EMERGENCIAL E A SAÚDE MENTAL DE PÓS-GRADUANDOS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1873 <p>A pandemia de covid-19 afetou, substancialmente, a qualidade de vida e a saúde mental de pessoas por todo o mundo. No Brasil, diante das medidas de isolamento social e do fechamento de comércios e instituições de ensino, o Ministério da Educação (MEC) aprovou o Ensino Remoto Emergencial (ERE), que tencionou substituir aulas em caráter presencial por aulas em formato remoto, até a contenção total da doença. Diante de um modelo de ensino inédito e das desigualdades socioeconômicas que caracterizam à sociedade brasileira, surge a preocupação com a saúde mental de discentes na pós-graduação, considerando que o ambiente acadêmico, por si só, já é fonte de tensões que induzem o sofrimento psíquico. À vista disso, este estudo buscou identificar as dificuldades enfrentadas durante o ERE na pós-graduação, aspirando apurar a correlação entre o inédito modelo de ensino e o sofrimento psíquico discente. A pesquisa de campo, de métodos mistos, foi aprovada pelo Comitê Permanente de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos (COPEP). O estudo contou com a participação de 77 pós-graduandos de um Programa de Pós-Graduação em Educação de uma universidade estadual paranaense, que preencheram, remotamente, um <em>survey</em> interseccional com 89 questões. Os resultados apontam que cerca de 68% dos pós-graduandos sofrem de ansiedade, 47% acreditam que o ERE avariou, negativamente, a experiência com a pós-graduação, sendo que 39% julgam que o ERE foi nocivo à formação acadêmica. Ao refletir sobre esses dados, concluiu-se que o ERE prejudicou a saúde mental dos pós-graduandos, ao passo em que subsidiou práticas que promoveram sofrimento psíquico à população discente.&nbsp;</p> Emanoela Thereza Marques de Mendonça Glatz Solange Franci Raimundo Yaegashi Juan Carlos Sánchez-Huete Karen de Azevedo Coutinho Sharmilla Tassiana de Souza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-12 2022-08-12 12 29 IMPASSES E DESAFIOS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS FENOMENOLÓGICAS SOBRE DISTANCIAMENTO SOCIAL, ENSINO REMOTO EMERGENCIAL E SAÚDE MENTAL EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS NORDESTINAS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1868 <p>A&nbsp;crise sanitária provocada pela pandemia da COVID-19 e o consequente&nbsp;distanciamento social levaram ao&nbsp;fechamento de universidades públicas, estratégia adotada para impedir a transmissibilidade do vírus. Para garantir a continuidade dos períodos letivos, essas instituições &nbsp;implantaram o&nbsp;Ensino Remoto &nbsp;Emergencial (ERE), que&nbsp;invadiu&nbsp;o cotidiano da comunidade universitária, onde docentes e discentes tiveram que se adaptar a novos&nbsp;processos&nbsp;de ensino-aprendizagem, enfrentando mais agravos à sua saúde mental. Buscando compreender experiências desses&nbsp;sujeitos diante do distanciamento social e do ERE&nbsp;em universidades públicas do Nordeste brasileiro, uma equipe de pesquisa composta por uma docente e bolsistas de iniciação científica vem conduzindo estudos fenomenológicos desde 2020. Portanto, no&nbsp;presente relato de experiência,&nbsp;buscam-se&nbsp;narrar&nbsp;impasses e desafios enfrentados na condução desses estudos, visando-se ser fonte de educação, ensino e capacitação para pesquisadores fenomenológicos. Situando-se a experiência como fenômeno científico em um tempo, espaço e lugar, valoriza-se a descrição, interpretação e compreensão intersubjetiva deste fenômeno, tendo-se a oportunidade de relacionar conhecimentos teóricos sobre as temáticas investigadas e o método utilizado. Assim, descrevem-se&nbsp;impasses e desafios que reverberaram no fazer ético, no tempo de condução das pesquisas e na saúde mental dos membros da equipe, quais sejam: entraves frente a exigências de comitê de ética;&nbsp;dificuldades para&nbsp;alcançar o número de sujeitos pretendidos;&nbsp;desafios no uso da entrevista remota; conflitos quanto ao papel de pesquisador fenomenológico; efetivação dos passos de análise; e sentidos vividos semelhantes aos(às) colaboradores(as) durante o distanciamento social e o ERE. Conclui-se, principalmente, que o diálogo&nbsp;em uma&nbsp;equipe de pesquisa fenomenológica, amparado por uma orientação que prime pelo cuidado à saúde mental de seus membros, é essencial para a&nbsp;produção de conhecimento sobre o fazer investigação fenomenológica em Psicologia, cujo cenário seja uma realidade social em crise na qual pesquisadores e sujeitos de pesquisa estão envolvidos.</p> Shirley (V) Macêdo José Luís Amorim Melina Pinheiro Gomes de Souza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-12 2022-08-12 12 29 OS IMPACTOS DO DISTANCIAMENTO SOCIAL DA PANDEMIA (COVID-19) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1867 <p>O presente estudo objetivou analisar os impactos do distanciamento social causado pela pandemia da COVID-19 sobre o desenvolvimento da criança, a partir da perspectiva vygotskyana. Este trabalho caracteriza-se como uma revisão integrativa de literatura, embasado numa abordagem qualitativa. As obras encontradas foram analisadas considerando-se três aspectos: pré-análise, exploração de material e tratamento dos resultados: inferência e interpretação, a partir da utilização do descritor: “Distanciamento Social <em>and</em> Desenvolvimento <em>and </em>criança”. Considerando a interação social como um fator fundamental para o desenvolvimento infantil, os resultados apontaram que o distanciamento social provocado pela COVID-19 modificou drasticamente a rotina das crianças, acarretando impactos negativos ao seu desenvolvimento. Deste modo, conclui-se que a ausência de relações sociais durante a pandemia da COVID-19 trouxe dificuldades para o desenvolvimento cognitivo, social e emocional das crianças, dificultando o seu processo de aprendizagem. Outro ponto a ser destacado, refere-se à ampliação da desigualdade social, onde muitas crianças não tiverem acesso ao ensino remoto, ampliando-se os impactos negativos a este público.</p> Maria Luciléia Gonçalves da Silva Rita Celiane Alves Feitosa Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-09 2022-09-09 12 29 SINTOMAS DE ANSIEDADE, DEPRESSÃO E STRESS EM ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR EM MEIO DA COVID-19 EM MOÇAMBIQUE https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1846 <p style="font-weight: 400;">As mudanças impostas pela Covid-19 ocasionaram impactos negativos sobre a saúde mental das pessoas. Nesta investigação analisou-se a frequência de sintomas de depressão, ansiedade e <em>stress</em> em estudantes moçambicanos de ensino superior durante a Covid-19. Uma amostra de 105 estudantes (54 homens e 51 mulheres), com idades compreendidas entre 21 a 50 anos, respondeu ao questionário de dados sciodemográficos e acadêmicos e a Escala de Ansiedade Depressão e <em>Stress</em>-21 (EADS-21). A análise descritiva de dados indicou que a dimensão de <em>stress </em>obteve a maior incidência de sintomas, sendo os sinalizados com maior frequência os seguintes: dificuldade de relaxar, tendência de reagir de forma exagerada perante às situações, sentir-se demasiadamente sensível e manifestar nervosismo. Na dimensão de ansiedade, os sintomas mais apontados foram: alterações de coração sem fazer exercícios físicos, sentir medo sem motivo, preocupar-se com situações em que pode entrar em pânico e sentir que vai entrar em pânico. Finalmente, na subescala de depressão, os sintomas com maior predominância foram: dificuldades de tomar iniciativa para fazer as coisas, sentir-se depressivo e sem ânimo, perda de autoestima, sentir que a vida não tem sentido e não conseguir vivenciar nenhum sentimento positivo. Em termos comparativos, os estudantes que trabalhavam revelaram maior vulnerabilidade ao <em>stress</em> em relação àqueles sem emprego. Com estes resultados, enfatiza-se a realização de futuras pesquisas para aprimorar o conhecimento sobre os fenômenos investigados, de modo a propor estratégias institucionais de enfrentamento adequadas.</p> Carlino André Alpaca Carlos Luís Aristides Gildo Aliante Bonciano Hilário Saquina Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-31 2022-08-31 12 29 O SISTEMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRO E A SAÚDE MENTAL DOS ESTUDANTES https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1839 <p>A saúde mental dos estudantes de pós-graduação tem se tornado objeto de preocupação nos últimos anos em razão de crescente sofrimento psíquico reportado pelos estudantes. O contexto de crise da pandemia da Covid-19 pode intensificar as dificuldades que já vinham sendo enfrentadas e ainda trazer novos desafios. Este trabalho objetiva discutir dados sobre a saúde mental de estudantes de pós-graduação e como a pandemia da Covid-19 pode intensificar as dificuldades que já vinham sendo enfrentadas. Por meio de uma revisão narrativa da literatura, alguns dados de saúde mental de estudantes são discutidos em relação à estrutura da pós-graduação brasileira, e posteriormente articulados com o contexto pandêmico. Como resultado da revisão, observa-se que fatores institucionais e de infraestrutura da pós-graduação, insegurança socioeconômica, incerteza quanto ao futuro profissional, cobrança por produtividade, e qualidade da relação entre orientador e orientando destacam-se como pontos de atenção em relação à saúde mental desses estudantes. Compreendemos a complexidade da saúde mental e a impossibilidade de se assinalar relações causais que expliquem o sofrimento psíquico. Não obstante, identificar esses fatores pode ser útil para o planejamento de políticas públicas de inclusão e permanência na pós-graduação, bem como ações de promoção, prevenção e cuidado da saúde mental desses estudantes, especialmente no contexto pandêmico. Destarte, as fragilidades acima elencadas, já presentes no sistema de pós-graduação brasileiro e intensificados pela pandemia, apontam para a necessidade do cuidado em âmbito coletivo, por meio da implementação e fortalecimento de políticas públicas no âmbito educacional e científico e estruturação de ações institucionais envolvendo, por exemplo, a promoção de relações colaborativas, o apoio a estudantes mulheres, o suporte a estudantes que estão longe de suas famílias, o oferecimento de suporte social e emocional e, especialmente na pandemia, a inclusão digital.</p> Aneliana da Silva Prado Joanneliese de Lucas Freitas Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-12 2022-08-12 12 29 A DISCUSSÃO SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1836 <div> <p class="Resumo-Abstr-ResumenOP">Diversas legislações garantem, na rede regular de ensino, a educação dos alunos que são público-alvo da Educação Especial, e um dos principais agentes no processo de inclusão é o professor. Pensar a sua formação voltada para a Educação Especial se constitui em um desafio. Assim, objetiva-se relatar como licenciandos de cursos de Ciências da Natureza do estado de Goiás vivenciaram a discussão sobre a Educação Especial em sua formação. Participaram da pesquisa quatro Instituições de Ensino Superior, envolvendo licenciandos de nove cursos de Ciências da Natureza. O questionário e a entrevista semiestruturada foram os instrumentos de coleta de dados. Como resultado, evidenciou-se a crença dos licenciandos de que a discussão sobre essa temática em sua formação inicial não é suficiente para que eles possam lidar com a complexidade dos alunos que são público-alvo da Educação Especial, sendo então necessário garantir, por meio de decretos, a obrigatoriedade de disciplinas teóricas e práticas que abordem tal tema.</p> </div> Fernanda Welter Adams Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-11-19 2022-11-19 12 29 DESAFIOS DO ENSINO REMOTO https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1832 <p>O momento pandêmico dos últimos dois anos - 2020/2021, perpetuaram para 2022 algumas limitações no percurso do ensino e da aprendizagem nas aulas de Ciências da Educação Básica, contribuído negativamente para inúmeras adversidades pedagógicas, tecnológicas e das questões da saúde mental dos professores de Ciências. Este estudo visa compreender as limitações impostas pelo ensino remoto emergencial aos professores de Ciências no contexto da pandemia COVID -19 Conjuntura propícia à efetivação desta pesquisa sendo um recorte de uma investigação realizada na Pós-Graduação de abordagem qualitativa, utilizando-se de questionário <em>online</em> como instrumento de constituição dos dados. Ao término desta investigação percebeu-se o quanto os professores tiveram que ressignificar sua prática diante dos desafios prescritos pela pandemia do novo coronavírus evidenciado suas limitações pedagógicas e tecnológica em virtude da ausência de uma formação específica para utilizar as ferramentas de comunicação, maior preocupação com a realidade socioeconômica do aluno e com objetivo pedagógico, por fim, a presença de desconforto e timidez dos professores durante as aulas remotas de Ciências e Biologia nas turmas da Educação Básica e Superior. Espera-se que essa investigação possa fomentar discussões entre pesquisadores da área visando melhorias no Ensino de Ciências e Biologia.</p> Mikael Otto Tamires Dahmer Luiz Carlos Marinho de Araújo Darlon Vasata Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-08-27 2022-08-27 12 29 REPERCUSSÕES DO ENSINO REMOTO PARA A PRÁTICA DOCENTE UNIVERSITÁRIA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1829 <p>Com a pandemia por COVID-19, muitas mudanças ocorreram no ensino superior, incluindo a migração do ensino presencial para o ensino remoto emergencial. Esse modo de ensinar repercute na prática docente e no desenvolvimento de habilidades/competências do professor, muito embora essa relação ainda careça de maior sistematização. Trata-se de uma pesquisa qualitativa descritiva, em formato de relato de experiência. O objetivo foi descrever sobre a experiência de ensino remoto na educação superior na Universidade federal do Vale do São Francisco e suas repercussões para a prática docente, discutindo as repercussões desse tipo de ensino à luz da Fenomenologia Hermenêutica de Heidegger. A experiência em questão foi marcada pelo esforço contínuo, principalmente por parte da professora, em prol da interação dialógica/vínculo; priorizando-se as atividades síncronas em detrimento das assíncronas. A ocorrência frequente de câmeras desligadas, áudios mutados, problemas de conexão com a internet e baixa interatividade em tempo real, gerou dúvidas, ansiedade, cansaço; e aprofundou a sensação de solidão, descuido, inutilidade, estranhamento. Por vezes, a impressão de “falar para ninguém” e de “não enxergar pessoas”, foi compartilhada com os estudantes, mas não cessou a atmosfera de silêncio. Como repercussões potentes, destaca-se o baixo índice de atrasos e a possibilidade de muitos estudarem de suas localidades, mesmo que nem todos disponham de recursos tecnológicos e de espaços propícios para tal. Por outro lado, tem-se repercussões complicadas como a baixa vinculação e interatividade em tempo real, turmas e processo de comunicação volumosos, retrabalho em atividades assíncronas, dificuldade de transpor o ensino da prática para as telas, sensação de solidão durante as aulas, desmotivação e desconforto ergonômico. Conclui-se que o ensino remoto tem potencial para alinhar-se com a docência presencial e não de substituí-la, de modo a não precarizar o trabalho docente e nem de esvaziá-lo de significados.</p> <p>Palavras-chave: Educação Superior. Pandemia. Ensino Remoto Emergencial.</p> Silvia Raquel (V) Santos de Morais Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-23 2022-09-23 12 29 PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS DE CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESPANHA EM SUAS REPRESENTAÇÕES CORPORAIS DIGITAIS https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1817 <p>O cotidiano tem o sentido de fabricação e construção da realidade através das condições e interações sociais existentes em que muitas táticas, estratégias e recorte de si circulam e se entrecruzam na/em rede. A partir desse contexto, o objetivo dessa pesquisa foi analisar as representações corporais no <em>facebook</em> de um grupo de professores de cursos de Educação Física da Espanha. O suporte da Teoria das Representações Sociais, assim como os estudos da Subjetividade, Cibercultura e as Pedagogias Corporais sustentam essa investigação qualitativa de cunho analítico. Participaram 4 professores do estudo que fizeram evocações de conteúdos por meio de questionário semiestruturado, diálogos no <em>Messenger</em> e imagens do perfil do <em>facebook</em>, Esses dados produzidos foram analisados com suporte da Técnica de Análise de Conteúdo. Ao olhar uma fotografia, não se vê necessariamente o que está inscrito, mas o que ela invoca. Muitas interpretações plurais são admissíveis, visto que as imagens podem ser entendidas para além de suas intencionalidades como espaço de diálogo e interação. Dentro das representações corporais no <em>facebook </em>elas precisam ser vistas das melhores formas e “nas” melhores formas, causar as melhores impressões, serem comentadas, desejadas, mas para isso precisam seduzir os olhos alheios, encantar para uma curtida. Esses corpos virtualizados não conseguem ficar no tédio e por isso eles são modificados rapidamente a cada clique intencional e isso renova as representações e suas mensagens, suas histórias. Esse espetáculo tem uma programação rápida para começar, agitar, fazer barulho e depois se despedir da forma mais alegre e convidativa para uma próxima. Esse ciclo retroalimenta esse processo de espetacularização corporal com diversos intuitos, mas podemos assegurar que independente de quais sejam os objetivos iniciais e os que se modificam no “entre”, sempre acontecem aprendizagens. São dois territórios contínuos de aprendizagem: o corpo individual e o corpo coletivo (o <em>facebook</em>).</p> Ramon Missias-Moreira Manuela Hasse Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-03 2022-10-03 12 29 Ensino remoto e seus desafios em decorrência da Pandemia da Covid-19 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1795 <p style="font-weight: 400;">O presente texto objetiva apresentar a experiência da formação de professores a partir do estágio docente em tempos de pandemia, sob a metodologia do Ensino Remoto Emergencial (ERE). Ao longo do artigo, refletimos sobre a aproximação da realidade com a atividade teórica ao abordar as múltiplas dimensões da formação de mestres e de doutores para a docência no ensino superior e as mediações com a sala de aula no contexto do Ensino Remoto Emergencial em decorrência da pandemia da Covid-19. Os resultados mostram os limites do ensino remoto, mas também sinalizam para a importância do estágio docente na capacitação e na qualificação pedagógica de recursos humanos para o ensino superior.</p> Maria Cecília de Souza Minayo Renan Antônio da Silva Felipe Freitas de Araújo Alves Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-05-04 2022-05-04 12 29 257 274 PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1794 <p>Este artigo propõe-se a fazer uma revisão sistemática da literatura que reflete sobre a fundamentação da promoção da saúde na escola, considerando o ambiente escolar como importante para a construção de hábitos saudáveis para se viver com melhor qualidade de vida. O objetivo central desta revisão foi compreender as principais características das publicações sobre promoção da saúde na escola encontradas nas bases de dados Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e Google Scholar. Na etapa inicial da pesquisa, realizada durante os meses de agosto e setembro de 2020, foram encontrados 33 artigos, sendo 25 no Google Scholar e oito na SciELO. Dos trabalhos selecionados na busca inicial, foi realizada uma análise prévia onde foram selecionados 13 artigos do Google Scholar e cinco da SciELO, totalizando 18 artigos para se fazer a revisão sistemática. Como conclusão desta revisão da literatura, pode-se afirmar que a educação em saúde, proporcionada em contexto escolar, pode ser considerada uma importante ferramenta para alcance de indicadores positivos no que diz respeito à promoção da saúde e à melhoria da qualidade de vida de crianças e adolescentes.</p> Beatris Lisbôa Mello Ana Paula Santos de Lima José Vicente Lima Robaina Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-15 2022-09-15 12 29 AMBIENTES VIRTUAIS COMO VIA EDUCACIONAL https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1790 <p>Em uma Sociedade em Rede, onde cada vez mais as relações se estabelecem mediante ambientes virtuais, a utilização destes meios para construção do conhecimento se tornou essencial. Entretanto, em meio a uma pandemia, a prática docente imergiu ao ambiente virtual como a principal via de ensino. Os objetivos dessa pesquisa foram analisar o uso das plataformas digitais pelos profissionais de educação em Manaus (em diferentes modelos de ensino público e privado); identificar as mudanças na docência em ambiente virtual, e verificar o envolvimento das instituições na capacitação e suporte aos docentes frente ao cenário pandêmico. A pesquisa teve como instrumentos utilizados a observação dirigida e o questionário. Os resultados evidenciam a necessidade de maior apoio e capacitação no ensino remoto atual.</p> Agda Carolina de Albuquerque Sales Arycia Giseli de Melo Sousa Carolina Miranda de Oliveira Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-10-29 2022-10-29 12 29 AS PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1771 <p>O objetivo desse artigo é analisar as Práticas Corporais de Aventura (PCAs) na Proposta Curricular do Piauí nos anos finais do Ensino Fundamental. Foi realizada uma análise documental do Documento Curricular do Ensino Fundamental do estado do Piauí. Foram selecionados tópicos sobre o ensino das PCAs e organizados em quatro categorias: Dimensões do conteúdo nas PCAs; Integridade física e segurança nas PCAs; Adaptação das PCAs à realidade escolar; e, As PCAs e a preservação do patrimônio público e natural. Os dados foram analisados através da análise de conteúdo (BARDIN, 2011). A presença do conteúdo PCAs no currículo, além de assegurar sua abordagem nas aulas de Educação Física diversificam as práticas corporais a serem vivenciadas na educação básica. No entanto, esse conteúdo só é proposto ao 6° e 7° ano, divergindo da BNCC, que prescreve sua tematização do 6º ao 9º ano do ensino fundamental.</p> Adelson Almeida da Costa Francisco Márlon Melquíades da Cruz Maria do Socorro Lima Franco Raimundo Erick de Sousa Agapto Diego Luz Moura Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-09 2022-09-09 12 29 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM COLETIVO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE PRÁTICAS EDUCATIVAS EM TEMPOS DE PANDEMIA DA COVID-19 https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1766 <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%; orphans: 2; widows: 2;" align="justify"><span style="font-family: Arial, sans-serif;">O contexto investigado e relatado é um Centro de Educação Infantil municipal localizado na cidade de Brusque – SC. Participaram deste relato de experiência três pesquisadores: (a) a coordenadora pedagógica; (b) o professor de Educação Física; (c) a pedagoga. O objetivo foi descrever a trajetória do coletivo de um Centro de Educação Infantil em tempos de pandemia COVID-19. Para tal, classifica-se a pesquisa em sua natureza como qualitativa e quanto ao objetivo, descritiva, quanto ao procedimento se constitui um relato de experiência. No ano de 2020 a escola precisou se mover numa dinâmica que fosse melhor para a criança e sua família, tendo que se adaptar e se reinventar para levar o ensino até as casas dos educandos. Os professores planejaram atividades de acordo com o contexto da criança em família, que fossem possíveis de serem realizadas em casa, com materiais de fácil acesso. Na formação continuada docente, as </span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><em>lives </em></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;">e/ou reuniões organizadas com a coordenação pedagógica ou com palestrantes convidados, auxiliaram na procura das respostas para as questões inéditas que surgiram nesta etapa. Cada profissional, cada área, cada função tinha uma nova realidade, e consideramos que os processos formativos, o registro por meio do portfólio coletivo e a cooperação mútua foram elementos fundamentais para a continuidade do trabalho no período pandêmico. </span></p> Graciela Nunes Duarte Lucas Vitor Baumgärtner Jéssica Monique Buss Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 29 MEDIAÇÃO SOB A ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1750 <p>Ao estudar a teoria histórico-cultural, compreende-se que as ações humanas são social e semióticamente mediadas por instrumentos culturais criados pelos seres humanos. Tendo isso em mente, o objetivo deste trabalho é abordar o conceito de mediação em pesquisas, produzidas no ano de 2018, publicadas no banco de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses Dissertações. O questionamento que norteia este estudo é: quais os entendimentos produzidos, no ano 2018, acerca do conceito mediação sob a perspectiva da teoria histórico-cultural? A pesquisa foi organizada em duas unidades de análise: a unidade “Focado no Conceito Mediação” possui pesquisas que apresentam aporte teórico extenso acerca do conceito mediação, diferentemente da unidade “Não Focado no Conceito Mediação”, que apresentou estudos cujo conceito de mediação é abordado de forma superficial.</p> Alexa Fagundes dos Santos Isabel Koltermann Battisti Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 29 EXPLORANDO AS POTENCIALIDADES DO GAME MULTICRAFT NA APRENDIZAGEM DA GEOGRAFIA ESCOLAR https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1742 <p>O presente artigo é resultado de uma pesquisa de especialização em Ciência e Tecnologia de uma Instituição de ensino catarinense, cujo objetivo foi explorar as potencialidades do <em>Game Multicraft</em> no processo de construção do raciocínio geográfico e as transformações espaciais a partir do seguinte problema: Quais são as potencialidades do <em>Game Multicraft </em>que os(as) professores(as) podem explorar na aprendizagem da Geografia Escolar? Em função do objetivo traçado e da questão problema, a metodologia ancorou-se na pesquisa do tipo qualitativa com a abordagem do estudo de caso envolvendo trinta e três estudantes de uma turma do sexto ano do Ensino Fundamental com idade entre onze e treze anos. O <em>lócus</em> da investigação foi uma escola municipal localizada na área periférica do município de Joinville/SC. Para a geração de dados, foi aplicado uma atividade prática “Gamificando os Setores da Economia” utilizando a interface do <em>Game Multicraft</em> e adaptando-a aos conteúdos geográficos, e posterior aplicação de um questionário semiestruturado com questões abertas e fechadas. Os achados da investigação evidenciaram, a princípio, que o uso desse <em>Game</em> no ensino de Geografia contribuiu para uma aprendizagem interativa, colaborativa e criativa. Além do que, o seu uso possibilitou que os/as estudantes obtivessem maior contextualização em relação aos conteúdos e conceitos trabalhados.</p> Janice Souza Mebs Luiz Martins Junior Marcia Vidal Candido Frozza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 29 ENTRE O PLAY E O GAME OVER https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1740 <div><span lang="PT">Desde as atividades de trabalho, passando pela forma de se estudar e identificar novos conhecimentos, a mediação influenciada pelas Tecnologias de Informação e Comunicação tendem a expandir suas áreas de atuação. Dessa maneira a concepção do conhecimento tem vindo de diferentes fontes e/ou tecnologias. É válido pontuar que a inteligência, ao longo da história, tem recebido diferentes definições, mas, em sua maioria, tiveram como base o raciocínio lógico e o pensamento matemático. Contrariando esses pensamentos, a teoria das Inteligências Múltiplas, criada por Howard Gardner, mostra como principal argumento que existem distintas inteligências e cada uma possui particularidades que precisam passar por estímulos significativos para serem desenvolvidas. Para tanto procede-se a seguinte metodologia, através de uma pesquisa exploratória, buscou-se neste trabalho analisar os jogos eletrônicos, especialmente os considerados não-pedagógicos, como potencializadores dessas variadas inteligências. Foi realizada uma revisão sobre os jogos e sua importância para formação do indivíduo, e, em seguida, realizada as indicações de jogos específicos para estimular as 8 inteligências identificadas por Gardner. Deste modo, observa-se que os resultados sugerem que os jogos apresentados podem contribuir para o estímulo das inteligências múltiplas, permitindo-nos concluir que a experiência do jogo pode proporcionar momentos de aprendizagem ao jogador.</span></div> Willmara Marques Monteiro Thâmillys Oliveira Ricardo Bitencourt Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-25 2022-06-25 12 29 FORMAÇÃO PARA A AUTONOMIA E EMANCIPAÇÃO NO ÂMBITO DAS PRÁTICAS CORPORAIS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1739 <p>O presente estudo tematiza os conceitos de autonomia e emancipação em Theodor Adorno e Paulo Freire, com vistas a pensar a educação escolar e as possibilidades de formação de sujeitos autônomos e emancipados no âmbito das práticas corporais. Em termos de objetivo, o estudo pretende discutir o que significa formar o sujeito autônomo e emancipado no âmbito das práticas corporais na contemporaneidade. Aponta que os desafios para uma formação autônoma e emancipada no âmbito das práticas corporais da cultura corporal de movimento perpassam pelo enfretamento e consideração de desafios como: a instabilidade legislativa da Educação Física na escola brasileira; a questão da complexidade do objeto de estudo da disciplina e a tensão permanente entre escola e realidade social para a reflexão sobre as práticas corporais na sociedade contemporânea.</p> Renan Santos Furtado Elane Cristina Pinheiro Monteiro Harrison de Souza Bezerra Fernada Yully dos Santos Monteiro Saulo Viana Reis Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-09 2022-09-09 12 29 DISCUSSÕES SOBRE IMPACTOS DA INDÚSTRIA CULTURAL NA PRÁTICA PEDAGÓGICA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1738 <p>Este artigo trata de inquietações docentes quanto ao emprego de produtos da Indústria Cultural na prática pedagógica. Para tanto, compara o panorama sociopolítico brasileiro ao da Alemanha nazista e estabelece diálogo entre os estudos de Theodor Adorno e Paulo Freire, sob uma ótica questionadora. Discorre sobre “entretenimento”, “arte elitizada” e “cultura de massas”, bem como as mudanças de fruição estética geradas pelos meios de comunicação. Aborda os efeitos de recursos tecnológicos e mídias sociais sobre os indivíduos e seu uso em sala de aula, em busca de uma educação cuja linguagem acessível comunica, promove o senso crítico, faz refletir e, por isso, emancipa.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> Beatriz Abreu Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-03 2022-07-03 12 29 Formação inicial de professores https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1712 <p>O presente texto trata de uma pesquisa bibliográfica-documental com enfoque na Base Nacional Comum Curricular para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica – BNC/Formação, publicada em 2019. Propõe examinar algumas diretrizes expressas na BNC/Formação, considerando as concepções, os fundamentos, as proposições e as limitações, bem como suas contradições, ambiguidades e retrocessos. Problematiza o processo de formação de professores da Educação Básica ancorado em uma política regulatória e altamente determinada pelo interesse neotecnicista. Compreende-se que o documento mandatário retoma o caráter da pedagogia de competências para a formação docente. Sinaliza-se, ainda &nbsp;que em relação a documentos anteriores, tais como a Resolução CNE/CEB 02/2015, houve sérios retrocessos na proposta de formação, uma vez que separa a formação inicial da formação continuada, além de não contemplar dimensões estruturantes da docência no contexto escolar da Educação Básica.</p> Luiz Martins Junior Julice Dias Marcia Vidal Candido Frozza Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-04-23 2022-04-23 12 29 213 231 SENTIMENTOS E EMOÇÕES NA DOCÊNCIA https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1708 <p>Em um mundo permeado por processos acelerados de produção de informação se torna imprescindível abordar o papel do professor na educação. Nesse contexto, a função social do professor assume ainda mais destaque, uma vez que, instrumentar os sujeitos a questionarem e pensarem criticamente a realidade é fundamental. Contudo, esse novo cenário requer espaços educativos mais flexíveis e dinâmicos para conceber o processo de ensinar, a fim de construir uma sociedade com conhecimento. Diante disso, emerge a necessidade de entender e analisar os aspectos emocionais que fazem parte da profissão docente. Nesse sentido, esse artigo tem como objetivo analisar os entendimentos sobre os sentimentos e emoções na docência, para alcançar tal objetivo será realizado um mapeamento dos últimos 10 anos (2010-2020) na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD). Por meio desse mapeamento encontraram-se onze pesquisas, sendo sete dissertações e quatro teses. Por meio da análise desses estudos foi possível observar que inúmeros sentimentos e emoções surgem no decorrer dos anos de profissão, mas o apoio dos pais dos alunos, dos colegas e da equipe gestora tem um papel fundamental para que eles sejam positivos. Ressalta-se que o emocionar dos professores deve ser estudado, pois se o docente não está emocionalmente bem ele não irá conseguir realizar seu trabalho de forma satisfatória, além disso ele poderá sofrer danos na sua vida pessoal, por meio de estresse, mal humor, desanimo e prejudicar também o aprendizado dos alunos.</p> Luana Maria Santos da Silva Ayres Fabrine Diniz Pereira Tanise Paula Novello Copyright (c) 2022 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-09-23 2022-09-23 12 29 O PROFESSOR PESQUISADOR https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1704 Adson Luan Duarte Vilasboas Seba Lucilene Justina da Silva Maira Bras Costa Sergio José Terlizzi Sylvain Anagonou Copyright (c) 2021 Vide Declaração de Direito Autoral - https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/about/submissions#authorGuidelines https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 12 29 386 390