SiNC-DCOIT-Ag: um novo anti-incrustante e seus impactos nos invertebrados marinhos de espécies não-alvo

Autores

  • Joao Vitor Castro Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho
  • Denis Abessa universidade estadual paulista júlio de mesquita filho
  • Caio Cesar Ribeiro universidade estadual paulista júlio de mesquita filho
  • Paloma Richter
  • Marcos Santos universidade estadual paulista júlio de mesquita filho
  • Isabela Beverari

Palavras-chave:

Incrustação, Toxicidade, Nanopartículas.

Resumo

 As tintas anti-incrustantes são usadas para diminuir a incrustação nos cascos de embarcações marítimas, tendo como composição no passado o estanho e outros metais pesados como cobre e zinco que foram proibidas devido a sua alta toxicidade. A partir disso outras tintas anti-incrustantes necessitaram de alterações visando uma menor agressão a biota marinha. Utilizando uma nova tecnologia e tendo como objetivo uma menor ação tóxica, tintas anti-incrustantes à base de DCOIT (4,5-Dicloro-2- octilisotiazol-3(2H)-ona) surgiram no mercado, se tornando muito utilizadas até os dias atuais, principalmente em áreas com alto tráfego de embarcações. A sua utilização é considerada um contaminante pseudo-persistente e tóxico para espécies não-alvo, sendo assim o presente estudo visa avaliar a toxicidade do SiNC-DCOIT-Ag, nanopartícula de prata em ensaios ecotoxicológicos com diferentes organismos marinhos, como: artêmias (Artemia salina)  e mexilhões (Perna perna). Com resultado dos estudos foi verificado que o composto SiNC-DCOIT-Ag  é tóxico para ambas as espécies analisadas que tiveram os CE50-24h de 38.02 µg/L para P. perna e CEO 8 mg/L e CENO 1.6 mg/L para A. salina.

Publicado

2022-07-14

Edição

Seção

Resumos expandidos e notas científicas