Residualidade, dramaturgia e cultura

o medo da morte e do Além-morte em Gil Vicente e Ariano Suassuna.

Autores

  • Francisco Wellington Rodrigues Lima UAB/UFC Virtual - Uninta Campus Itapipoca
  • Elizabeth Dias Martins Universidade Federal do Ceará - UFC

Palavras-chave:

Residualidade, Dramaturgia, Morte e Medo da Morte, Gil Vicente, Ariano Suassuna

Resumo

O presente trabalho investigativo revisita a dramaturgia de dois grandes nomes da história do teatro mundial: o teatro medieval português vicentino (Trilogia das Barcas – do Inferno (1517), do Purgatório (1518) e da Glória (1519) –,  Auto da História de Deus, Auto da Alma, Comédia Rubena, Auto das Fadas, Nau de Amores, Diálogos Sobre a Ressurreição) e o teatro brasileiro de Ariano Suassuna (Auto da Compadecida, Auto de João da Cruz, As Conchambranças de Quaderna ) -, abordando os elementos significativos e relativos à morte e ao medo da morte. O nosso objetivo é demonstrar que há semelhanças e diferenças residuais na forma de ver, pensar e sentir a morte e o medo da morte no teatro vicentino e no de Suassuna; semelhanças e diferenças oriundas de povos e tempos distantes e que, independentemente do tempo e do espaço, continuaram atualizando-se e se modificando continuamente. Para tal, utilizamos os conceitos de resíduo, hibridismo, cristalização e mentalidade trabalhados pela Teoria da Residualidade sistematizada por Roberto Pontes. Para a orientação da nossa pesquisa investigativa, o método de procedimento utilizado será o comparativo. Buscaremos subsídios no corpus teórico da Literatura Comparada e os mesclaremos aos conceitos operativos da Teoria da Residualidade Literária e Cultural.

Biografia do Autor

Francisco Wellington Rodrigues Lima, UAB/UFC Virtual - Uninta Campus Itapipoca

Doutor em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras/Literatura da UFC (2018); Mestre em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC (2010); Especialista em Estudos Clássicos - UFC (2005) e Graduado em Letras UFC (2003). É ator, diretor e dramaturgo da Cia. Teatral Moreira Campos. Professor-Tutor de Letras/Literatura da UAB/UFC VIRTUAL e Professor do Curso de Direito UNINTA Campus Itapipoca. E-mail: wellrodrigues2012@yahoo.com.br.

Elizabeth Dias Martins, Universidade Federal do Ceará - UFC

Professora Associada do Departamento de Literatura e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Ceará-UFC. Doutora em Literatura Portuguesa (PUC-RIO); fez os seus estudos de Pós-Doutoramento em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e pela Universidade de Coimbra (2015). Desenvolve, atualmente, no PPGLETRAS/UFC, pesquisas em torno dos Estudos residuais comparados em literaturas de Língua Portuguesa e pesquisas que visam abordar a tradição e a inovação no cordel nordestino pelo viés da Residualidade. E-mail: bethdiasufc2@gmail.com.

Referências

BYINGTON, Carlos Amadeu B. “Prefácio”. In: Malleus Maleficarum. Trad.: Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1991.
CAMÕES, José. Purgatório. Coleção dirigida por Osório Mateus. Lisboa: Quimera, 1993.
COSTA, Dalila Pereira da. Gil Vicente e sua época. Lisboa: Guimarães Editores, 1989.
COUSTÉ, Alberto. Biografia do Diabo. Record, São Paulo, 1996.
DELUMENAU, Jean. A história do medo no ocidente. Tradução de Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
____________. O Pecado e o Medo: a culpabilização no Ocidente (séculos XIII-XVIII). Vol. I. Trad.: Álvaro Lorencini. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2003.
____________. O Pecado e o Medo: a culpabilização no Ocidente (séculos XIII-XVIII). Vol. II. Trad.: Álvaro Lorencini. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2003.
DIAS, João José Alves. Nova História de Portugal – Portugal do Renascimento à Crise Dinástica. Vol. V. Direção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques. Coordenação: João José Alves Dias. Lisboa: Editorial Presença, 1998.
DUBY, Georges. O Ano Mil. Trad.: Teresa Matos. Lisboa: Edições 70, 1967.
KRAMER, Heinrich, SPRENGER, Flames. O martelo das feiticeiras: malleus maleficarum. Trad.; Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1991.
LIMA, Francisco Wellington Rodrigues. A Representação do diabo no teatro vicentino e seus aspectos residuais no teatro quinhentista do Padre José de Anchieta e no contemporâneo de Ariano Suassuna. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Letras, Fortaleza, Ceará, 2010.
________. A Representação da Morte, do Julgamento e da Salvação no Teatro Medieval Português de Gil Vicente e seus Aspectos Residuais no Teatro Contemporâneo Brasileiro De Ariano Suassuna. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Letras, Fortaleza, Ceará, 2018.
LIMA, Francisco Wellington Rodrigues; PEREIRA, Marcos Paulo Torres; NASCIMENTO, Cássia Maria Bezerra do; SILVA, Fernanda Maria Diniz da; COSTA, Willian Gonçalves da. (Organizadores) Matizes de Sempre-Viva: Residualidade, Literatura e Cultura. Amapá: UNIFAP, 2020.
MOREIRA, Rubenita Alves. Dos Mitos à Picaresca: uma caminhada residual pelo Auto da Compadecida. Saarbrücken, Alemanha: Editora Novas Edições Acadêmicas, 2016.
MUCHEMBLED, Robert. Uma História do Diabo: séculos XII-XX. Trad.: Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2001.
NOVAIS, Maria Ignez Moura. Nas Trilhas da Cultura Popular: o teatro de Ariano Suassuna. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo, 1976.
PEREIRA, Marcos Paulo Torres. Remanescência e Cristalização do Espírito Medieval através dos Heróis da Literatura de Cordel. In.: PONTES, Roberto; MARTINS, Elizabeth Dias; CERQUEIRA, Leonildo; NASCIMENTO, Cássia Maria Bezerra do (org.). Residualidade e Intertemporalidade. Curitiba: CRV, 2017.
_______. Casa da Flor: Contas de Memória. In.: PONTES, Roberto; MARTINS, Elizabeth Dias; LEAL, Tito Barros; NASCIMENTO, Mary; CRAVEIRO, William (Org). Todas as idades são contemporâneas: Estudos de residualidade literária e cultural. Macapá: UNIFAP, 2019.
PONTES, Roberto. Literatura insubmissa afrobrasilusa. Rio de Janeiro/Fortaleza, Oficina do Autor, EDUFC, 1999.
_______. O Jogo de Duplos na Poesia de Sá-Carneiro. Fortaleza: Edições UFC, 2012.
_______. MARTINS, Elizabeth Dias. Residualidade ao Alcance de Todos. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015.
________. MARTINS, Elizabeth Dias; CERQUEIRA, Leonildo; NASCIMENTO, Cássia Maria Bezerra do. (Organizadores). Residualidade e Intertemporalidade. Curitiba: CRV Editora, 2017.
________. MARTINS, Elizabeth Dias; LEAL, Tito Barros; NASCIMENTO, Mary; CRAVEIRO, William (Org.). Todas as idades são contemporâneas: Estudos de residualidade literária e cultural. Macapá: UNIFAP, 2019.
________. Entrevista sobre a Teoria da Residualidade com Roberto Pontes, concedida à Rubenita Moreira, em 05/06/06. Fortaleza: (mimeografado), 2006.
________. Lindes disciplinares da Teoria da Residualidade. Fortaleza: (mimeografado), 2006.
RICHARDS, Jeffrey. Sexo, Desvio e Danação: as minorias na Idade Média. Trad.: Marco Antônio Esteves da Rocha e Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1993.
SILVA, José Alberto Lopes da. O Mundo Religioso de Gil Vicente. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2002.
SUASSUNA, Ariano. Auto da Compadecida. 35 ed., Agir Editora, Rio de Janeiro, 2005.
________. Auto de João da Cruz (Inédito – texto cedido para estudos)
________. As Conchambranças de Quaderna (Inédito – texto disponível para estudos)
_______. "A Compadecida e o Romanceiro Nordestino". In DIÉGUES JÚNIOR, Manuel e outros. Literatura popular em verso - Estudos. Tomo I. Rio de Janeiro, MEC – Fundação Casa de Rui Barbosa, 1973, pp. 153-164.
TORRES, José William Craveiro. Além da Cruz e da Espada: acerca dos resíduos clássicos d’A Demanda do Santo Graal. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2016.
VASSALLO, Lígia. O sertão medieval: origens europeias do teatro de Ariano Suassuna. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.
VICENTE, Gil. Obras Completas. Centro de Estudos de Teatro, Teatro de Autores Portugueses do Séc. XVI - Base de dados textual [on-line]. <http://www.cet-e-quinhentos.com/> [01 /06 /2017 a 04/03/2020].

Downloads

Publicado

2020-07-01

Edição

Seção

Artigos