IDENTIFICAÇÃO E MANEJO DE DISPARADORES DE VIOLÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICOS DE MEDICINA EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Autores

  • Lucas Araujo Souza Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA
  • Gabriela Sandes Machado Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA
  • Bianca Lima Gondim Osman Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA
  • Roberta Stofeles Cecon Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA
  • Maria Augusta Vasconcelos Palácio Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Palavras-chave:

Educação, Saúde, Violência, Extensão, Ensino Superior

Resumo

A violência escolar (VE) manifesta-se de diversas formas e desencadeia efeitos preocupantes e extremamente negativos para os envolvidos, tais como repetência, evasão e abandono escolar, demonstrando a necessidade de profissionais capacitados para lidar com essas situações. Objetiva-se relatar a experiência de acadêmicos de medicina em atividade extensionista sobre a identificação de disparadores de violência escolar e seus respectivos manejos para profissionais da educação. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência. O contexto da prática é uma escola pública do município de Paulo Afonso, Bahia, na qual foi realizada uma capacitação com 31 profissionais, no ano de 2019, com base nas respostas de questionários previamente aplicados, que ajudaram a traçar um perfil dos principais disparadores de VE e o conhecimento acerca das formas de intervenção para esse tipo de situação. A atividade consistiu em desenvolver habilidades de reconhecimento dos variados tipos de VE, por meio da apresentação de conceitos e exemplos, além da proposição de uma Rede de Atenção à Violência. A intervenção permitiu que os profissionais da escola pensassem e discutissem sobre as situações de VE mais comuns e como podem intervir de forma mais efetiva a partir da criação de redes de enfrentamento, lançando mão de diversas ferramentas facilmente implantáveis naquele cenário. A experiência contribuiu com o processo de formação de estudantes de medicina, no sentido de aprimorar as habilidades de comunicação e adequação da linguagem para o público alvo, além de inserir os saberes construídos na universidade diretamente na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Araujo Souza, Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Acadêmico de Medicina

Univasf (campus Paulo Afonso - BA)

 

Gabriela Sandes Machado, Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Acadêmica de Medicina

Univasf (campus Paulo Afonso - BA)

Bianca Lima Gondim Osman, Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Acadêmica de Medicina

Univasf (campus Paulo Afonso - BA)

Roberta Stofeles Cecon, Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Doutora em Ciência da Nutrição (UFV)

Docente – Univasf (campus Paulo Afonso - BA)

Maria Augusta Vasconcelos Palácio, Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF, campus Paulo Afonso-BA

Doutora em Educação em Ciências e Saúde (UFRJ)

Docente – Univasf (campus Paulo Afonso - BA)

 

Downloads

Publicado

2021-05-02

Como Citar

Araujo Souza, L., Sandes Machado, G., Lima Gondim Osman, B., Stofeles Cecon, R., & Palácio, M. A. V. (2021). IDENTIFICAÇÃO E MANEJO DE DISPARADORES DE VIOLÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR: A EXPERIÊNCIA DE ACADÊMICOS DE MEDICINA EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Revista De Educação Da Universidade Federal Do Vale Do São Francisco, 11(25). Recuperado de https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1289