ENSINO REMOTO EMERGENCIAL E A SAÚDE MENTAL DE PÓS-GRADUANDOS

O SOFRIMENTO PSÍQUICO DISCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA

Autores

  • Emanoela Thereza Marques de Mendonça Glatz Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Solange Franci Raimundo Yaegashi Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Juan Carlos Sánchez-Huete Centro de Estudios Superiores Don Bosco (CES Don Bosco), Universidad Complutense de Madrid (UCM)
  • Karen de Azevedo Coutinho Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Sharmilla Tassiana de Souza Universidade Estadual de Maringá - UEM

Palavras-chave:

Covid-19, Ensino Remoto Emergencial, Pós-graduandos, Saúde mental, Sofrimento psíquico

Resumo

A pandemia de covid-19 afetou, substancialmente, a qualidade de vida e a saúde mental de pessoas por todo o mundo. No Brasil, diante das medidas de isolamento social e do fechamento de comércios e instituições de ensino, o Ministério da Educação (MEC) aprovou o Ensino Remoto Emergencial (ERE), que tencionou substituir aulas em caráter presencial por aulas em formato remoto, até a contenção total da doença. Diante de um modelo de ensino inédito e das desigualdades socioeconômicas que caracterizam à sociedade brasileira, surge a preocupação com a saúde mental de discentes na pós-graduação, considerando que o ambiente acadêmico, por si só, já é fonte de tensões que induzem o sofrimento psíquico. À vista disso, este estudo buscou identificar as dificuldades enfrentadas durante o ERE na pós-graduação, aspirando apurar a correlação entre o inédito modelo de ensino e o sofrimento psíquico discente. A pesquisa de campo, de métodos mistos, foi aprovada pelo Comitê Permanente de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos (COPEP). O estudo contou com a participação de 77 pós-graduandos de um Programa de Pós-Graduação em Educação de uma universidade estadual paranaense, que preencheram, remotamente, um survey interseccional com 89 questões. Os resultados apontam que cerca de 68% dos pós-graduandos sofrem de ansiedade, 47% acreditam que o ERE avariou, negativamente, a experiência com a pós-graduação, sendo que 39% julgam que o ERE foi nocivo à formação acadêmica. Ao refletir sobre esses dados, concluiu-se que o ERE prejudicou a saúde mental dos pós-graduandos, ao passo em que subsidiou práticas que promoveram sofrimento psíquico à população discente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanoela Thereza Marques de Mendonça Glatz, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS).

Solange Franci Raimundo Yaegashi, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Departamento de Teoria e Prática da Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Mestrado Profissional em Educação Inclusiva da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS).

Juan Carlos Sánchez-Huete, Centro de Estudios Superiores Don Bosco (CES Don Bosco), Universidad Complutense de Madrid (UCM)

Doutor em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidad Complutense de Madrid (UCM). Docente no Centro de Estudios Superiores Don Bosco (CES Don Bosco), Universidad Complutense de Madrid (UCM). Madrid, España.

Karen de Azevedo Coutinho, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Docente da Educação Básica da rede privada de ensino do município de Maringá, PR. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS).

Sharmilla Tassiana de Souza, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS).

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

Glatz, E. T. M. de M. ., Yaegashi, S. F. R., Sánchez-Huete, J. C. . ., Coutinho, K. de A. ., & Souza, S. T. de . (2022). ENSINO REMOTO EMERGENCIAL E A SAÚDE MENTAL DE PÓS-GRADUANDOS: O SOFRIMENTO PSÍQUICO DISCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA . Revista De Educação Da Universidade Federal Do Vale Do São Francisco, 12(28). Recuperado de https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1873

Edição

Seção

Ensino Remoto Emergencial e Saúde Mental nas Universidades Brasileiras