ENSINANDO INGLÊS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

(EM QUE) OS MÉTODOS PODEM CONTRIBUIR?

Autores

  • Fernanda Seidel Bortolotti Unicentro
  • Cibele Krause-Lemke Unicentro

Palavras-chave:

Ensino de inglês, Educação Infantil, Métodos de ensino de línguas

Resumo

O presente estudo aborda a crescente oferta, ainda desordenada, do ensino de inglês para o público da Educação Infantil (EI). Essa área compreende dois âmbitos distintos: o dos saberes da Pedagogia e o de Letras Inglês, sendo que a formação para atuar com esse conhecimento e essas crianças ainda merece importantes discussões. Contudo, o que se propõe aqui é a abordagem dos métodos de ensino, das práticas de sala de aula para a satisfação da urgência que as discussões sobre o ensino de inglês na EI demandam. Dessa forma, realiza-se um estudo de revisão bibliográfica, primeiramente sobre essa oferta no cenário brasileiro de forma mais genérica, para na sequência apresentar os métodos que vêm sendo adotados em nível mundial para o ensino de línguas, até que adquiram características específicas para as crianças de até 6 anos. A partir desses conhecimentos, reflete-se sobre a possível aplicação de determinados métodos de ensino e o quanto condizem com as realidades encontradas no Brasil, até que irrompa a temática do Pós-método, opondo-se ao apego às teorias e valorizando o saber que o professor estabelece na prática cotidiana. Por fim, sugere-se que outros estudos se dediquem ao desenvolvimento de possibilidades de formação para os profissionais interessados nessa prática, bem como o aprofundamento das questões do Pós-método neste país, que apesar de sua ainda recente repercussão já demonstra implicações positivas para a aquisição de línguas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-04-23

Como Citar

Seidel Bortolotti, F., & Krause-Lemke, C. (2022). ENSINANDO INGLÊS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: (EM QUE) OS MÉTODOS PODEM CONTRIBUIR? . Revista De Educação Da Universidade Federal Do Vale Do São Francisco, 12(27). Recuperado de https://www.periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/1427